Manifestações consciente do inconsciente. Contos e poesia crônica.

Outubro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquise

 

publicações

Embate público

Efêmeros

O mortiço

O rato roeu o rei

(O)Culto

Em ruínas

Long live Café Piu-Piu

Mão amiga

O xis da questão

Um minuto de silêncio

Moluscos

Banquete

PEC(ados)

Lavrador

Declaração

Modelo

Encalço

Haicai V

Viagem

Numa fria

Poema antigo

Encontros

Ombrax

Sós

Coração violento

O que não passa?

Qual será a senha?

Marcados

Cada casa

Lançamento

A desmetamorfose

Um vazio

Paraíso

Noites de Verão

O relógio da vovó

Conto de Fadas

A fonte

Um par

contratempo

a bunda dela

ambidestro

mãe dos sem mães

advérbio

quando fomos nuvens

fossa

prateando

banquete

renda-se

pecado

translação

Confira também




todas as publicações

subscrever feeds

Sexta-feira, 6 de Março de 2015

viva voz

 

som que rompe a barreira

distância que se encurta no tempo

voz da mulher que não vejo

 

som que me traz o beijo

seus lábios molhados percebo

voz da mulher que festejo

 

som que me invade os ouvidos

pela noite, madrugada adentro

voz da mulher que desejo

 

som, voz viva, lindo arpejo

que num instante, um lampejo

me dá aquilo que almejo

 

sua presença

 

Clique no assunto: , ,
publicado por AB Poeta às 11:07
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Clique no assunto

todas as tags