Manifestações consciente do inconsciente. Contos e poesia crônica.

Março 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31

Pesquise

 

Publicações

Manhãs bragantinas

A gaiola

Aquífero paulistano II

O laranjal

Black Friday

Aquífero paulistano

Embate público

Efêmeros

O mortiço

O rato roeu o rei

(O)Culto

Em ruínas

Long live Café Piu-Piu

Mão amiga

O xis da questão

Um minuto de silêncio

Moluscos

Banquete

PEC(ados)

Lavrador

Declaração

Modelo

Encalço

Haicai V

Viagem

Numa fria

Poema antigo

Encontros

Ombrax

Sós

Coração violento

O que não passa?

Qual será a senha?

Marcados

Cada casa

Lançamento

A desmetamorfose

Um vazio

Paraíso

Noites de Verão

O relógio da vovó

Conto de Fadas

A fonte

Um par

contratempo

a bunda dela

ambidestro

mãe dos sem mães

advérbio

quando fomos nuvens

Confira também




Todas as publicações

subscrever feeds

Quinta-feira, 13 de Novembro de 2014

último verso

 

quando fizer meu último verso

que seja honesta minha cria

e não essa falsa poesia

lamúria à qual me presto

 

quando eu fizer esse verso

que me servirá de epitáfio

palavra quente em mármore frio

último elogio de meu universo

 

que meu último verso

seja breve e robusto

sepulcro flores arranjos

 

que meu último verso

seja augusto

seja dos anjos

 

 

*100 anos da morte de Augusto dos Anjos

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 18:49
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Clique no assunto

todas as tags