André Braga

Setembro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Pesquise

 

Publicações

Sextou!

Rega-bofe

Frio

Nas ruas

Eterno halloween

João, o fanfarrão

Aquífero paulistano

Efêmeros

O mortiço

Modelo

Encalço

a rua e o rio

Black SP

X haikais à vida em SP

chuvas de verão

dessigno

cida de

Tietê - II

amizade universitária

levante

prédio e praça

Na Luz não há luz

Abandono

Viaduto

O mendigo-gato

Falo

Rodoviária

Vila das Belezas

Canibalismo capital

Espera

Anunciação

Poesia prum dia chuvoso

Sobvive

Propriedade e produto

Barulho dos Inocentes

Noturnos

Resgate

Sinal vermelho

A praça morta

Itinerário

Fuga

Esmola

Pombas

Minha rua

Pipa de papel

Giraluas

Encruzilhada

Tietê

Recenseando

Loucomotiva

Confira também



subscrever feeds

Domingo, 29 de Agosto de 2021

Sextou!

 

Sexta-feira é dia de beber
algo que deixou de ser pecado
O consumo já não o faz desmerecer
temos até monja ao nosso lado

Dizem que devo ser moderado
o que soa diferente da propaganda
mas a embaixadora nos faz criança
deixe-me beber e não encha o sacro

 

Publicado por AB Poeta às 18:40
Link do post | Comentar | ADD favoritos

Rega-bofe

 

Ao lado do camping de mendigos
inaugurou um fast food novo
Comemoram os famintos maltrapilhos
“o lixo dessa rede é mais gostoso”

Sob os seus arcos dourados
quem sabe consigam uma esmola
porque o lanche que é jogado fora
dividem com cães, gatos e ratos

O palhaço que sorri na entrada
tem a alegria como suprassumo
provoca engasgos e gargalhadas
e mata muitas sedes de consumo

 

Publicado por AB Poeta às 18:19
Link do post | Comentar | ADD favoritos

Frio

 

O frio do tempo
O frio do chão
O aquecimento é global
mas não aquece o coração

O olhar gelado
sobre o desvalido
lhe cobre o corpo
de desilusão

No fio da navalha
nada o agasalha
No frio da navalha
mais uma mortalha

 

Publicado por AB Poeta às 18:01
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Sexta-feira, 16 de Julho de 2021

Nas ruas

 

Nem esquerda, nem direita
apenas a insatisfação
de quem não aguenta mais
esse messias de rabecão

O povo nas ruas correndo o risco
de pegar o vírus, uma infecção
pior é manter no poder esse lixo
a bolsoquadrilha em ação

Manifestar indignação é preciso
vamos chutar a bunda do capitão
tirar o que nunca deveria ter sido
nunca é tarde para dizer “ele não”

 

Clique no assunto: , , , ,
Publicado por AB Poeta às 23:07
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Sábado, 31 de Outubro de 2020

Eterno halloween

 

Mais um cadáver na sarjeta

“ah, mas estava só a caveira”

nem assusta mais a multidão

 

Em meio à sujeira, mais um zumbi

lhe estende a mão: “doce ou travessura”:

lhe pegam a carteira, lhe pedem pão

 

As bruxas e suas crias, pagãos

vivem a pior das fantasias

sob o horror da inquisição

 

Ratos, baratas e víboras políticas

dão o toque de terror no dia a dia

mantendo no caos a população

 

No centro de SP é assim

todo dia é halloween

 

Clique no assunto: , , , ,
Publicado por AB Poeta às 12:33
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Sexta-feira, 8 de Maio de 2020

João, o fanfarrão

 

O joão trabalhador

já foi gari, pedreiro, pintor

Liberal à brasileira

é o joão impostor

 

Desde o nascimento

está grudado ao estado

Sanguessuga disfarçado

ímprobo condenado

 

Ainda há o eleitorado

que crê no joão empresário

a mais pura enganação

que já surgiu no plenário

 

Será que muda no próximo pleito

essa parca e distorcida visão?

Será que verão que o eleito

não foi o empresário e sim o fanfarrão?

 

Clique no assunto: , , ,
Publicado por AB Poeta às 20:26
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quinta-feira, 6 de Dezembro de 2018

Aquífero paulistano

 

Límpida cai a chuva

na rua

e corre suja

ao rio invisível

 

Água viva

corrente ativa

um fio de vida

ainda possível

 

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 20:45
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quarta-feira, 3 de Outubro de 2018

Efêmeros

 

A cidade diminui na noite

que escura se funde à fuligem

Céu e asfalto se unem

formando uma outra miragem

 

Que a cada passo se amplia

nos ecos dos passos passados

Personagens que somem ao dia

se avultam a novos pecados

 

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 02:42
Link do post | Comentar | ADD favoritos

O mortiço

 

Quando será que a vida acaba?

Com a morte? Não creio

Tanta gente maltrapilha vaga

sem saber para que aqui veio

 

Carregar a própria existência

nos ombros, há quem não suporte

O peso do “ter que ser”, consorte

transcende qualquer essência

 

Sobreviver como indigente

na selva de pedra é penoso

A esmola, um prato, entorpecentes

ajudam amenizar o desgosto

 

Mas uma hora isso cansa

Abreviar o sofrimento é a opção

Quem vai lembrar daquela criança?

Era só mais uma, largada no chão

 

Seu nome? Rogério, Roberto... Enfim

o viaduto da santa foi o trampolim

Num voo curto e fatal, no paraíso

mais um precipitou o seu fim

 

Espatifou no asfalto da 23 de maio

Por um instante pararam em atenção...

Olharam e foi como naquela canção:

“morreu na contramão atrapalhando o sábado”

 

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 01:59
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Sábado, 8 de Outubro de 2016

Modelo

 

O mendigo fotografado

ficou bonito

 

Homem oriundo do descarte

no fotograma agora é arte

 

Da rua à galeria de fotolitos

o mendigo virou mito

 

Clique no assunto: , , ,
Publicado por AB Poeta às 15:45
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quinta-feira, 6 de Outubro de 2016

Encalço

 

Signos seguidos

persigo na cidade

Acidade sanguínea

fluxo, rotatividade

 

A rapidez do tempo

age no aço, edificante

E eu lento, nesse espaço

agonizo, insignificante

 

Clique no assunto: , , ,
Publicado por AB Poeta às 03:53
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Domingo, 8 de Março de 2015

a rua e o rio

 

a rua ria do rio que ia

do curso que ele seguia

pois sabia não conseguiria

progredir conforme ela progredia

 

cobrir a Terra ela poderia

ser mais útil ela seria

servir sempre ela serviria

só crescer era o que fazia

e isso ela nunca pararia

 

até que percebeu um dia

que o rio é que da rua ria

porque parada ela não saía

e apesar de crescer à revelia 

para nenhum lugar a via ia

 

quando entendeu a diferença que havia

a rua imponente que antes ria

parada no lugar pôs-se a chorar

porque diferente do rio que ia

seu curso seguia para algum lugar

e a rua que antes não via

viu que nunca encontraria

o mar

 

agora é tarde demais para desaguar

 

Publicado por AB Poeta às 15:02
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quarta-feira, 25 de Fevereiro de 2015

Black SP

 

algo irá acontecer

na cidade intensidade

o céu ficará negro

e o dia irá escurecer

 

a água irá cair

as ruas irão encher

a noite será escura

não haverá amanhecer

 

a torneira irá secar

só sobrará o Tietê

o trânsito irá parar

não haverá pra onde correr

 

o estresse se espalhará

e atingirá você

seu coração explodirá

e você irá morrer

 

no meio da multidão

ninguém irá querer saber

de mais um corpo pelo chão

atrapalhando o entardecer

 

você irá apodrecer

a enxurrada o levará

ratos irão te roer

não há nada o que fazer

 

porque aqui é a Black SP!

 

Clique no assunto: , , , ,
Publicado por AB Poeta às 23:31
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Sexta-feira, 30 de Janeiro de 2015

X haikais à vida em SP

 

I

 

céu sem nuvens

o fundo da represa

ar na torneira

 

II

 

o vento forte

a árvore que cai

luz que se apaga

 

III

 

lagoa seca

tucanos bebericando

há vinte anos

 

IV

 

água cai do céu

asfalto impermeável

Clara boia

 

V

 

o céu cinza

a multidão que corre

edifício

 

VI

 

o sol a pino

multidão amontoada

espera no ponto

 

VII

 

a chuva forte

correria na praça

o banco vazio

 

VIII

 

fome de inverno

o sal sobre a mesa

mosca na sopa

 

IX

 

gramado verde

passe preciso, o gol

ver de amar, elo

 

X

 

chove lá fora

batem palmas no portão

melhor na cama

 

Clique no assunto: , , , ,
Publicado por AB Poeta às 22:17
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Sexta-feira, 23 de Janeiro de 2015

chuvas de verão

I

 

chuva de verão

casamento de espanhol

enclave de sol

 

II

 

chuva de verão

asfalto impermeável

a rã está morta

 

III

 

chuva de verão

a árvore cai morta

luz que se apaga

 

IV

 

chuva de verão

o ônibus lotado

vidro embaçado

 

V

 

chuva de verão

a gravata a forca

algodão molhado

 

VI

 

chuva de verão

batuque no telhado

chão de granizo

 

VII

 

chuva na estação

trem lento caramujo

todos verão

 

Clique no assunto: , , , , ,
Publicado por AB Poeta às 00:12
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Sábado, 6 de Dezembro de 2014

dessigno

 

pelos signos da cidade

perdido errante

o ser social segue

insignificante

 

Clique no assunto: , , ,
Publicado por AB Poeta às 13:43
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Terça-feira, 29 de Julho de 2014

cida de

 

viver cidade

violenta velocidade

 

ver a cidade aparente

ser o vírus e a semente

fugaz ser

a serpente

gás do caos corrente

 

lentamente

trânsito em transe

carros tragados

transeuntes

cigarros lábios lentes

 

lenta mente ácida

árida

fragmenta mente

 

cor rente

de mente

fuga cidade

lá tente

 

Clique no assunto: , , , ,
Publicado por AB Poeta às 03:44
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Sexta-feira, 25 de Julho de 2014

Tietê - II

 

Tietê quem

te viu não quer

te ver

 

à margem

sem ramagem

sem ramais

marginais nada

fluviais

 

no leito

sem porto

sem jeito

rio quase morto

 

Clique no assunto: , , , ,
Publicado por AB Poeta às 02:42
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Sábado, 5 de Abril de 2014

amizade universitária

amizade de faculdade

entidade

Unisant’anna

 

o tempo passa, zuni

e a afinidade mantem-se imune

espírito, nirvana

pois algo ainda nos uni

em bares de Santana

 

para Eli, Bia, Betão e VB

 

Clique no assunto: , , ,
Publicado por AB Poeta às 01:46
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Domingo, 19 de Janeiro de 2014

levante

 

ódio raiva rancor

toda dor da humanidade

 

a infelicidade faz o corpo

social se mexer

mover-se com indignidade

 

a favor da igualdade? talvez

mas de vez pela mudança

no mundinho pobre da esperança

não espere nada da felicidade

 

a raiva é que vai nos salvar

(levante ante o Leviatã)

 

Clique no assunto: , , ,
Publicado por AB Poeta às 22:07
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags