André Braga

Setembro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Pesquise

 

Publicações

Criacionismo

Medidas

o pulso ainda pulsa...

Tempos frios

Dor nossa de cada dia

A alegoria como verdade

"Eggo"

Aquários

Cala boca já morreu

Joker

desavença

eu vs eu

Renego

Tanta coisa em mim morreu

Furtado

Guerras

Algo que me persegue

Madrugada

Noites

Louco F.C.

Delírios soturnos

Apraz

Preciso Morrer

O teatro e a vida

Desejar o bem sem olhar a...

Lei Seca

Quando Nietzsche Chorou -...

Estigma - Erving Goffman

O por que MUNDO ID

Confira também



subscrever feeds

Quarta-feira, 8 de Setembro de 2021

Criacionismo

 

Quem construiu o mundo?
A minha imaginação
Quando eu deixar de existir
muitas coisas também deixarão
As mudanças que ocorreram
foram frutos da minha criação
e continuarão mudando
a cada nova geração
Entre o sol e a lua
a tudo dou uma razão
Quando isso vai acabar?
Quando o último ser parar
de respirar e deixar de viver

 

Publicado por AB Poeta às 23:01
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Domingo, 29 de Agosto de 2021

Medidas

 

Carrego sobre os ombros
a dor que me pesa
isso todo mundo faz

De rir sou capaz
mas logo se encerra:
a alegria nunca pesa

 

Publicado por AB Poeta às 18:17
Link do post | Comentar | ADD favoritos

o pulso ainda pulsa...

 

esse lugar imaginário
chamado coração
que bate, às vezes erra
pula pela garganta
ou desce até o porão
entre o amor e o ódio
alguma dor carrega
pulsa no peito
desanda, emperra
conserta
e segue batendo
com maestria
por mais uma breve
alegria

 

Publicado por AB Poeta às 18:11
Link do post | Comentar | ADD favoritos

Tempos frios

 

Tempos frios
apático clima
me sobra saudades
me falta poesia

 

Clique no assunto: , , , ,
Publicado por AB Poeta às 18:08
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Domingo, 27 de Junho de 2021

Dor nossa de cada dia

 

Na memória do corpo
gozos e temores
alternam-se as drogas
ficam velhas dores

O prazer é fugaz
mas resta a lembrança
Na carne, a cobrança
que o tempo nos trás

 

Clique no assunto: , , , , ,
Publicado por AB Poeta às 11:15
Link do post | Comentar | Ver comentários (2) | ADD favoritos

A alegoria como verdade

 

Ter convicção não é ter razão
pior: convictos dizem não à razão
O mito da caverna, aquele do Platão
nunca fez tanto sentido
tempos cegos, mais bocas que ouvidos

Enquanto o sábio cresce na dúvida
o convicto reduz o mundo na certeza
lhe falta clareza, lhe sobra ilusão
burro que acredita ser cavalo alazão

Isso é um tipo de “arrogância à brasileira”:
aquele que não sabe nada, mas tem opinião
“Saber” é um detalhe irrelevante, bobeira
o que “eu acho” é o que tem exatidão

Nessa realidade que parece ficção
tempos onde a ignorância é qualidade
vivemos essa porcaria de situação
um eterno atraso de sociedade

 

Publicado por AB Poeta às 11:09
Link do post | Comentar | ADD favoritos

"Eggo"

 

IMG_20210624_065448_312.jpg

 

 

Clique no assunto: , , ,
Publicado por AB Poeta às 10:46
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Terça-feira, 22 de Junho de 2021

Aquários

 

IMG_20210622_163525_856.jpg

 

Publicado por AB Poeta às 22:30
Link do post | Comentar | ADD favoritos

Cala boca já morreu

 

Boçal, o presidente
hiena histérica, grita estridente
contra jornalista, manda calar
xinga, baba, perdigotos pelo ar

Macho que se exibe feito pavão
se vale do cargo e mostra ao povão
o ser raso, tosco e parvo que é
guincha mais alto contra mulher

Chihuahua que imagina ser um leão
no fundo a coragem lhe é ausente
covarde e sem nenhuma aptidão
só um boçal que virou presidente

 

Clique no assunto: , , ,
Publicado por AB Poeta às 22:27
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quarta-feira, 9 de Outubro de 2019

Joker

 

Em cada esquina um coringa

Só mais uma vida desgraçada

Cansado da sorte que não vinga

espera pela próxima cartada

 

Contra a sociedade que o humilha

traz na manga sua última jogada

Sorriso histérico, a arma engatilha

agora quero ver quem dá risada

 

A gargalhada ecoa na cidade

e o terror domina a face pálida

O caos se espalha, brutalidade

é o fim de mais uma piada

 

dd586203382ee10102c591bff2a551b8.jpg

Clique no assunto: , , , , ,
Publicado por AB Poeta às 02:11
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quinta-feira, 5 de Fevereiro de 2015

desavença

 

penso o que tanta gente pensa

e quem pensa que assim não pensa

vê recompensa na diferença

e com indiferença

pensa que só ele pensa

 

crença de quem diz que pensa

porque dispensa o que o outro pensa

não repensa nenhuma sentença

propensa discussão à ofensa

 

tensa

nasce assim a doença

desavença

 

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 23:41
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Sábado, 26 de Julho de 2014

eu vs eu

 

às vezes converso comigo

discuto eloquente grito

berro quase demente

convenço persigo

mas paro

escuto vejo

relevo respiro

melhor não fazer-me inimigo

 

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 15:36
Link do post | Comentar | Ver comentários (2) | ADD favoritos
Sábado, 21 de Setembro de 2013

Renego

 

é tanto ego que às vezes sinto

que sinto que fico um tanto cego

 

e não sigo o que sinto

mas sem sentir não consigo

então pressinto e nego

e o ego

renego

 

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 16:31
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Sexta-feira, 7 de Junho de 2013

Tanta coisa em mim morreu

 

Tanta coisa em mim morreu

enterrei sem choro nem vela

sem oração na capela

sem velório, ninguém apareceu

 

Tanta coisa em mim morreu

que alimentou a terra

fez brotar a nora era

e algo novo floresceu

 

Tanta coisa em mim morreu

que no clarear do novo dia

aquilo que não parecia

sem demora aconteceu

 

Tanta coisa em mim morreu

tudo o que me sobrou

transformou esse que sou

e meu novo eu nasceu

 

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 03:35
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quarta-feira, 19 de Outubro de 2011

Furtado

 

O inconsciente furtou

um objeto

da estante

 

Sou grato

 

A noite sem cógnitos

é branda

talvez eu

até

durma

 

 

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 02:05
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Sexta-feira, 7 de Outubro de 2011

Guerras

 

Se minhas guerras

sou eu quem as crio

por que não as venço?

 

Talvez porque as armas

da qual preciso

nunca as penso

 

Entrincheirado e atento

avanço mais uma linha

inimiga

que invento

 

Minha

guerra nunca terá

(um) fim

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 04:33
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Domingo, 3 de Julho de 2011

Algo que me persegue

 

Assim

no chão

a sombra

a me seguir

 

Assombração

 

As sombras são

assim

a me seguir

como um cão

 

No chão

No inconsciente

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 16:25
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Segunda-feira, 27 de Dezembro de 2010

Madrugada

 

Minhas madrugadas tem sido de poesia a distância

álcool

solidão

e um sono que não é meu

 

Gosto da escuridão

cega meus olhos

e não vejo as fotos

livros

discos

e uma porção de objetos

que me lembram uma porção de coisas

que não estão mais próximas de mim

 

A noite calada me vela

e minha cabeça a mil me afoga

 

Quando olhar para a noite

lembre-se de que não está só.

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 12:42
Link do post | Comentar | Ver comentários (4) | ADD favoritos
Domingo, 26 de Dezembro de 2010

Noites

 

Em minhas noites de nada

Arregalo os olhos na escuridão

Para olhar em paz

Não enxergando objetos que me lembram coisas

Que não tenho mais próximas

 

Meio ao álcool, à solidão e demônios

Durmo um sono que não é meu

É só do corpo

Sentindo-me velado por olhares imaginários

Carpideiras ácidas que choram o lixo do homem e me beijam sorrindo

 

Os pregos da minha cama de pregos

Já não têm mais pontas

Rolei tanto sobre elas que gastaram

 

Sinto falta das ranhuras que me faziam no âmago

Sentia dó de mim quando via meu sangue

Gotejado pelo lençol

Pelo chão frio

Em restos de roupas que nem uso mais

E essa dó me fazia parecer humano

 

A noite é algo que existe em mim

Porque mesmo de dia ela me aparece.

 

Em silêncio

Na noite

Eu bicho estranho e selvagem

Luto contra o nada

Um nada gigantesco que carrego

Que parece que vai me esmagar

Mas que venço sempre

Pois só isto a fazer:

Lutar

Vencer

Viver.

 

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 15:12
Link do post | Comentar | Ver comentários (2) | ADD favoritos
Sexta-feira, 24 de Setembro de 2010

Louco F.C.

 

Para amenizar minha loucura

Fiz um 10 nas costas da camisa de força

E agora quando tenho surtos

Só marco gols de placa!

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 23:14
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags