Minhas poesias.

Janeiro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
24
25
26
27
28
29
30
31

Pesquise

 

Publicações

Canção do Exausto

A riqueza amazônica

Triturados

Manhãs bragantinas

Aquífero paulistano II

Aquífero paulistano

(O)Culto

Um minuto de silêncio

Moluscos

a rua e o rio

chuvas de verão

Sol(o)

Tietê - II

poesia do primogênito

forma

crime perfeito

(des)amanhecer

fenece

trombada

Big Bang

Horário de verão

eu a lua e vênus

Pombas!

Manoel de Barros

Retratos da natureza

Registro

Durâmen

O Feliz

A Primavera chegou

Pombas

Cantoria

Tietê

Pet Shop S/A

Passarinho

Passarinho

Como preparar uma língua ...

Confira também




Todas as publicações

subscrever feeds

Quarta-feira, 22 de Janeiro de 2020

Canção do Exausto

 

Minha terra tem problemas

que sabia até o sabiá

As aves que aqui gorjeiam

são os mais podres carcarás

 

Nossas ruas, mais buracos

Nossas várzeas, mais horrores

Nas esquinas, mais chacinas

Nossas vidas, mais temores

 

Nessa terra paulistana

quase nada que se planta dá:

a grama aqui não verdeja

o lixo sempre há de aumentar

os sujos rios não têm correnteza

e o ar cinzento o sufocará

 

Nossas aves, revoada de rapina

alimentam-se de propina

Nossos trens, mais descarrila

aqui nunca prosperará

Minha terra tem problemas

que sabia até o sabiá

 

Não permita Deus que eu morra

sem que me revolte contra lá:

do Matarazzo ao Bandeirantes

Câmara e Assembleia

parasita classe deletéria

que eu a ponha a debandar

 

Minha terra tem picaretas

que sabia até o sabiá

Carcará que aqui gorjeia

do povo bovino se alimentará

Em cismar – sozinho - à noite

não dormi... Já é hora de levantar

 

Clique no assunto: , , , ,
Publicado por AB Poeta às 01:47
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Domingo, 1 de Setembro de 2019

A riqueza amazônica

 

A riqueza amazônica

é a sua biodiversidade

Sem educação e ciência

não desfrutaremos dessa realidade

 

Nosso líder passa o dia relinchando

olha à floresta e só enxerga pasto

Por isso sigo falando:

“passarinho que segue asno

amanhece pastando”

E na Amazônia tem bastante espaço

 

Clique no assunto: , , , ,
Publicado por AB Poeta às 17:46
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Sexta-feira, 28 de Junho de 2019

Triturados

 

O animal morto

velado sobre a mesa

feito ao ritual do fogo

fatiado ao molho sangue

é servido à minha boca

 

Vegetais sem raízes

guisados na gordura

harmonizados ao vinho

ao som do violino

são servidos à minha boca

 

Enlatados e embutidos

sobras e restos que servem

à pressa do dia a dia

ao ritmo dos insossos

são servidos à minha boca

 

Flora, fauna, fábrica

e tudo que pode ser vida

ou servir à minha carne faminta

ainda que seja um desejo falso

podem ser triturados pela minha boca

 

A fome e a sede humana

já transcenderam o estado animal

e toda essa ânsia que não alimenta

nem corpo nem alma, caminha para o dia

em que seremos o prato principal

 

 

Clique no assunto: , , , ,
Publicado por AB Poeta às 02:23
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Sábado, 23 de Março de 2019

Manhãs bragantinas

 

As maritacas, o bem-te-vi, o sabiá

a orquestra reunida

todos juntos a cantar

 

É tanta nota musical

em horário matinal

que o galo nem arrisca cacarejar

 

A platéia ainda na cama

aprecia o concerto

mais um tranquilo despertar

 

Clique no assunto: , , ,
Publicado por AB Poeta às 23:12
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quinta-feira, 7 de Fevereiro de 2019

Aquífero paulistano II

 

Cada gota que cai de chuva

tece a enxurrada que desce a rua

e forma o lençol d’água

onde a cidade afunda

 

São Paulo para toda

ninguém aqui mais anda

Fica o recado da natureza

mostrando quem é que manda

 

Sob o asfalto bruto

um fio de vida ainda existe

tratado como subproduto

o rio que ainda resiste

 

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 01:10
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quinta-feira, 6 de Dezembro de 2018

Aquífero paulistano

 

Límpida cai a chuva

na rua

e corre suja

ao rio invisível

 

Água viva

corrente ativa

um fio de vida

ainda possível

 

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 20:45
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quinta-feira, 9 de Agosto de 2018

(O)Culto

 

Nunca via graça na lua

 

E o eclipse

secular

alterna entre lua e sol

o que há de novo nisso?

 

O que me impressiona

é que ainda há quem veja

significado

era após era

nos movimentos repetitivos

dos astros

 

O ser humano é um cão uivando ao nada

 

O ser humano é um cão uivando a

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 00:35
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quinta-feira, 9 de Novembro de 2017

Um minuto de silêncio

 

A rosa agora muda

ante ao dedo em riste

descansa despetalada

Tristeza de quem assiste

 

Humano vilipêndio

em palavra pedra bruta

fez crescer o silêncio

no peso da lágrima purpura

 

Clique no assunto: ,
Publicado por AB Poeta às 21:49
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Segunda-feira, 28 de Agosto de 2017

Moluscos

 

O corpo sem casa, sem casca

de movimento lento...

E vida veloz!

 

O risco que deixa por onde passa:

brilho que fica pelo caminho

 

Num breve choro, se acaba

Sal lacrimal que a liquida

 

A lesma, de vida besta

consegue ser ela mesma

 

Clique no assunto: ,
Publicado por AB Poeta às 23:41
Link do post | Comentar | ADD favoritos (1)
Domingo, 8 de Março de 2015

a rua e o rio

 

a rua ria do rio que ia

do curso que ele seguia

pois sabia não conseguiria

progredir conforme ela progredia

 

cobrir a Terra ela poderia

ser mais útil ela seria

servir sempre ela serviria

só crescer era o que fazia

e isso ela nunca pararia

 

até que percebeu um dia

que o rio é que da rua ria

porque parada ela não saía

e apesar de crescer à revelia 

para nenhum lugar a via ia

 

quando entendeu a diferença que havia

a rua imponente que antes ria

parada no lugar pôs-se a chorar

porque diferente do rio que ia

seu curso seguia para algum lugar

e a rua que antes não via

viu que nunca encontraria

o mar

 

agora é tarde demais para desaguar

 

Publicado por AB Poeta às 15:02
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Sexta-feira, 23 de Janeiro de 2015

chuvas de verão

I

 

chuva de verão

casamento de espanhol

enclave de sol

 

II

 

chuva de verão

asfalto impermeável

a rã está morta

 

III

 

chuva de verão

a árvore cai morta

luz que se apaga

 

IV

 

chuva de verão

o ônibus lotado

vidro embaçado

 

V

 

chuva de verão

a gravata a forca

algodão molhado

 

VI

 

chuva de verão

batuque no telhado

chão de granizo

 

VII

 

chuva na estação

trem lento caramujo

todos verão

 

Clique no assunto: , , , , ,
Publicado por AB Poeta às 00:12
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quarta-feira, 17 de Dezembro de 2014

Sol(o)

 

Sol

imponente Sol

arde, em riste

no céu a brilhar

 

Sol

impotente Sol

sempre triste

nunca verá o luar

 

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 01:49
Link do post | Comentar | Ver comentários (2) | ADD favoritos
Sexta-feira, 25 de Julho de 2014

Tietê - II

 

Tietê quem

te viu não quer

te ver

 

à margem

sem ramagem

sem ramais

marginais nada

fluviais

 

no leito

sem porto

sem jeito

rio quase morto

 

Clique no assunto: , , , ,
Publicado por AB Poeta às 02:42
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Domingo, 11 de Maio de 2014

poesia do primogênito

 

na primeira cria

a nova trindade:

o novo pai

o novo filho

a nova mãe

 

de um ventre

a gestação de três nascimentos

do dom materno

o surgimento de novos mundos

 

Clique no assunto: , , ,
Publicado por AB Poeta às 17:25
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quinta-feira, 6 de Março de 2014

forma

 

a norma

deforma

 

de forma alguma

a gente se conforma

 

de alguma forma

a mente

reforma

e o olhar transforma

 

 

Clique no assunto: , , ,
Publicado por AB Poeta às 22:18
Link do post | Comentar | Ver comentários (2) | ADD favoritos
Segunda-feira, 24 de Fevereiro de 2014

crime perfeito

 

toma minha alma

Deus

meu querido assassino

a qualquer hora a morte

tua cúmplice

vem ocultar meu corpo

completar teu crime perfeito

 

 

Clique no assunto: , , ,
Publicado por AB Poeta às 23:45
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Domingo, 23 de Fevereiro de 2014

(des)amanhecer

 

quando o sol sobe

assim subindo

sob o céu o sabiá sabido

avisa num assovio

e voa assim sumindo

 

no arranha-céu sob o sol

o ser some 

 

 

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 01:43
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Segunda-feira, 17 de Fevereiro de 2014

fenece

 

a esfera

esfria a fúria

da ex-fera

 

 

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 23:32
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Domingo, 9 de Fevereiro de 2014

trombada

 

mais elegante

que o elefante

é o rinoceronte

que de fronte

não tromba

 

 

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 14:50
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Segunda-feira, 14 de Outubro de 2013

Big Bang

 

corpos celestes em orbita

giram gravitam colidem

a química aquece a matéria

que explode etérea num beijo

 

nossos astros se equilibram

e surge algo infinito

 

nasce mais um universo

eternamente em expansão

 

 

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 00:13
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Clique no assunto

todas as tags