André Braga

Fevereiro 2023

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

Pesquise

 

Publicações

Marca passo

A casa da moeda da fé

Delícia e dissabor

Uma questão central

Uma questão central

O coral dos mudos

Estaca zero

Cegueira voluntária

Sobre o “vencedor”

Conflito

Laudêmio

Estatística de natal

Sobre a desigualdade soci...

Reino animal

Tauromaquia

É promoção, quem vai quer...

Até quando

Em praça pública

Perto do fogo

Armadilha

Entre urubus

Sobre nossos ombros

1000 dias de regresso

O agro é

Futuro

Fome

Jair e o pé de feijão

#ForaBolsonaro

O agro é pop

Rega-bofe

Frio

Freak Show

Garoto de futuro

Confira também



subscrever feeds

Sábado, 10 de Dezembro de 2022

Marca passo

20221209_074757.jpg 

Siga no twitter e no Instagram @ABPoeta

Publicado por AB Poeta às 11:35
Link do post | Comentar | ADD favoritos (1)
Quarta-feira, 19 de Outubro de 2022

A casa da moeda da fé

a casa da moeda da fe.jpg 

Siga no instagram e twitter @ABPoeta

Publicado por AB Poeta às 23:51
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Domingo, 11 de Setembro de 2022

Delícia e dissabor

delicia e dissabor.jpg 

Uma brincadeira com o poema Delícia, de Mario Quintana.

Siga no instagram e no twitter @ABPoeta

Clique no assunto: , , ,
Publicado por AB Poeta às 23:08
Link do post | Comentar | ADD favoritos

Uma questão central

uma questao central.jpg 

Siga no instagram e no twitter @ABPoeta

Publicado por AB Poeta às 22:43
Link do post | Comentar | ADD favoritos

Uma questão central

uma questao central.jpg 

Siga no instagram e no twitter @ABPoeta

Publicado por AB Poeta às 18:46
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quarta-feira, 20 de Julho de 2022

O coral dos mudos

 

“Um dia a fome será de poesia”
sonham os otimistas em seus cantos
Hoje a fome é a da barriga vazia
o que nos enche de desencanto
Quem sabe quando a sede de justiça
secar de vez nossas gargantas
cobrarmos esse bando de pilantras
pelas ruas, de forma maciça
alguma coisa aconteça…
Mas isso é outro sonho, outra
fantasia. Quem sabe um dia
a gente acorde esse gigante
deitado eternamente em berço esplêndido

 

Publicado por AB Poeta às 02:38
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Sexta-feira, 20 de Maio de 2022

Estaca zero

 

A pandemia trará consciência

às pessoas, uma novas atitude

disseram os otimistas

apesar da humana insipiência

 

O pensamento positivo ilude:

nem acabou a pestilência

e o “novo normal”, pura fantasia

voltou a ser a velha mania

 

Muita coisa retrocedeu, é vero

voltamos para a estaca zero!

De certo nessa confusão

é que a maioria lavou as mãos

 
Publicado por AB Poeta às 00:59
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Sexta-feira, 22 de Abril de 2022

Cegueira voluntária

 
Aos pés do mirante
algo que ninguém quer ver
Fechar os olhos não vale
para a visível realidade
 
Do alto a cidade é outra
o luxo ignora o lixo
e a foto feita filtra
o feio, por mero capricho
 
A São Paulo idealizada da rede
está longe de ser a concreta
Infecta e suja, nada discreta
não dá para negar a verdade

 

Publicado por AB Poeta às 23:35
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Sábado, 12 de Março de 2022

Sobre o “vencedor”

 

heróis e assassinos
assassinos heróis
aproveitadores imundos
a ordem dos tanques
destrói o produto
o trauma não sai da carne
a dor tende a ser extrema
e a poesia na guerra
é ilusão de cinema
o resto é história…

 

Publicado por AB Poeta às 13:51
Link do post | Comentar | ADD favoritos

Conflito

 

a bravura dos que combatem
a dor de quem se desterra
desânimo, valentia
há quem acerta
há quem erra
só não há
poesia
na guerra
!
!
!

 

Publicado por AB Poeta às 13:46
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Segunda-feira, 21 de Fevereiro de 2022

Laudêmio

 
Parabéns aos franceses
mudaram o regime e a lei
resolveram a pendenga
cortaram a cabeça do rei
 
A república aqui foi proclamada
há duzentos anos atrás
mas pelo visto, só de fachada
a plebe continua onerada
 
Séculos depois, soterrados
os petropolitanos ainda pagam
o luxo da praga divina
que falta faz uma guilhotina… 

 

Publicado por AB Poeta às 20:12
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Terça-feira, 4 de Janeiro de 2022

Estatística de natal

 

No seio da miséria
a fome só cresce
Na fila da ceia
a fila da fome só cresce
e quem cresce com fome
cresce como?
Como menino Jesus
com data marcada para morrer

Publicado por AB Poeta às 21:41
Link do post | Comentar | ADD favoritos

Sobre a desigualdade social

                         a fome de justiça
          aguça a sede de vingança
          como nenhuma
                                    se alcança
   quem agoniza é a esperança
                     de barriga vazia

Publicado por AB Poeta às 21:35
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quinta-feira, 9 de Dezembro de 2021

Reino animal

 

No capitalismo selvagem

o bode expiatório do Estado

serviu de desculpa ao touro

que com o rabo entre as pernas

saiu de mansinho, evitando latidos

 

Quem acabou latindo foi o gado

que cego de febre, não viu

comprou gato por lebre

 
Publicado por AB Poeta às 23:19
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Terça-feira, 23 de Novembro de 2021

Tauromaquia

 

No centro da fome

e do desemprego

o touro dourado

não puxa arado

 

Esse fica pro povo

que atordoado

enriquece o toureiro

por um mero trocado

 

E os emolumentos

enchem a bolsa dos donos

e os sorrisos dos tolos

que do touro de ouro

só lhe sobram os excrementos

 
Publicado por AB Poeta às 22:48
Link do post | Comentar | ADD favoritos

É promoção, quem vai querer?

 
A crueldade do Estado
na ilegalidade do ambulante
faz desse desempregado
um criminoso constante
 
Nesse país de desabrigados
e da meritocracia fajuta
tentar sobreviver é um fardo
todo dia uma nova luta
 
Aqueles que seriam os obrigados
a tornar nossa vida mais justa
são os verdadeiros bandidos
já passou da hora de dar um “basta!”
 

 

Publicado por AB Poeta às 22:43
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Terça-feira, 16 de Novembro de 2021

Até quando

 

Não para a ciência
à máscara e à vacina
o capitão e seu quartel
seguem a mesma sina
agravam a situação
e assim como Pilatos
lavam suas mãos
A consequência de seus atos
mais mortos e sequelados
mais pobres e miseráveis
Pagarão os responsáveis?
Certeza é que lhes reservam a inglória
de ocupar a lata de lixo da história

 

Publicado por AB Poeta às 20:26
Link do post | Comentar | ADD favoritos

Em praça pública

 

Aos montes na cidade

cabanas, abrigos, barracos

um campo de refugiados?

Não, é o largo da matriz

 

Nessa coletividade

toda sorte de azarados

o brasileiro é um exilado

em seu próprio país

 
Publicado por AB Poeta às 20:23
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quinta-feira, 4 de Novembro de 2021

Perto do fogo

 
Lá vem o caminhão
acotovelam-se na caçamba
   entre a fome e a infecção
a mãe, o filho, o rato, o cão
 
Quem não pegar essa rabeira
                          de lixo, dança
de estomago vazio
Melhor é ter uma indigestão
 
Indigesto mesmo é o capitão
                        que foi a Roma
aprender com Augustus Nero
como atear fogo numa nação

 

Publicado por AB Poeta às 00:23
Link do post | Comentar | ADD favoritos

Armadilha

 
mais um sujeito
                       sem leito
que à rua se sujeita
                      e se ajeita
na suja sarjeta
 
um rejeito que o estado
          pegou na ratoeira
isso é o resultado
                       da sujeira
de um país sem jeito
 

 

Publicado por AB Poeta às 00:06
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags