André Braga

Setembro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Pesquise

 

Publicações

Uma questão central

Uma questão central

O burrico e a cenoura

O coral dos mudos

Burnout

Estaca zero

Sobre o “vencedor”

O reservista

Sobre a desigualdade soci...

Reino animal

Tauromaquia

É promoção, quem vai quer...

Ensejo

Em praça pública

Armadilha

Entre urubus

Fratura exposta

Sobre nossos ombros

1000 dias de regresso

O agro é

Futuro

Clara escuridão

Fome

#ForaBolsonaro

O agro é pop

Rega-bofe

Frio

Freak Show

O socialismo que produz m...

ossos do ofício

Quadra

Propriedade e produto

Artigo 219 do Processo (I...

Sentença

Lançamento: Comunicação s...

Passado presente (nada va...

Loucomotiva

Impressões de São Paulo -...

Vendo-me

Goelabaixo

Um dia de fúria

Valeu Charles!

O escritor de verdade

Pedindo emprego

Samba da crise

Qual é o valor da educaçã...

Poliglotas semi-alfabetiz...

Viva lá crise!

Pessoas, lembranças... Fo...

Partido Cervejeiro Univer...

Confira também



subscrever feeds

Domingo, 11 de Setembro de 2022

Uma questão central

uma questao central.jpg 

Siga no instagram e no twitter @ABPoeta

Publicado por AB Poeta às 22:43
Link do post | Comentar | ADD favoritos

Uma questão central

uma questao central.jpg 

Siga no instagram e no twitter @ABPoeta

Publicado por AB Poeta às 18:46
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quarta-feira, 20 de Julho de 2022

O burrico e a cenoura

 

Eu entrego, eu faço

não me nego ao trabalho

desdobro o tempo

desvirtuo o espaço

as “bobagens” da vida

deixo-as de lado

A meta além da meta

me metaresultado

se quiser ter respeito

esse é o preço, meu caro

 

Workaholic, o ofício na veia

difícil alcançar a chegada

bateu a meta, bateu as botas

a linha final já é a esperada:

caixão sem gaveta, cova apertada

 
Clique no assunto: , , , ,
Publicado por AB Poeta às 02:57
Link do post | Comentar | ADD favoritos

O coral dos mudos

 

“Um dia a fome será de poesia”
sonham os otimistas em seus cantos
Hoje a fome é a da barriga vazia
o que nos enche de desencanto
Quem sabe quando a sede de justiça
secar de vez nossas gargantas
cobrarmos esse bando de pilantras
pelas ruas, de forma maciça
alguma coisa aconteça…
Mas isso é outro sonho, outra
fantasia. Quem sabe um dia
a gente acorde esse gigante
deitado eternamente em berço esplêndido

 

Publicado por AB Poeta às 02:38
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Sexta-feira, 20 de Maio de 2022

Burnout

tempestade em copo d’água
tormenta em corpo mágoa
cada recipiente tem sua borda
em algum momento esgota
cada um sabe a gota
que lhe transborda

Clique no assunto: , , , , ,
Publicado por AB Poeta às 01:06
Link do post | Comentar | ADD favoritos

Estaca zero

 

A pandemia trará consciência

às pessoas, uma novas atitude

disseram os otimistas

apesar da humana insipiência

 

O pensamento positivo ilude:

nem acabou a pestilência

e o “novo normal”, pura fantasia

voltou a ser a velha mania

 

Muita coisa retrocedeu, é vero

voltamos para a estaca zero!

De certo nessa confusão

é que a maioria lavou as mãos

 
Publicado por AB Poeta às 00:59
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Sábado, 12 de Março de 2022

Sobre o “vencedor”

 

heróis e assassinos
assassinos heróis
aproveitadores imundos
a ordem dos tanques
destrói o produto
o trauma não sai da carne
a dor tende a ser extrema
e a poesia na guerra
é ilusão de cinema
o resto é história…

 

Publicado por AB Poeta às 13:51
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Terça-feira, 25 de Janeiro de 2022

O reservista

 

O palhaço guardou o nariz na gaveta
e espera um dia voltar a usá-la
Uma cambalhota, outra pirueta
seria bom reviver o passado

Mas a gaveta nunca mais se abrirá
triste e perdido ficou o bufão
O nariz vermelho já serviu ao circo
todo o resto foi mera ilusão

 

Publicado por AB Poeta às 13:58
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Terça-feira, 4 de Janeiro de 2022

Sobre a desigualdade social

                         a fome de justiça
          aguça a sede de vingança
          como nenhuma
                                    se alcança
   quem agoniza é a esperança
                     de barriga vazia

Publicado por AB Poeta às 21:35
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quinta-feira, 9 de Dezembro de 2021

Reino animal

 

No capitalismo selvagem

o bode expiatório do Estado

serviu de desculpa ao touro

que com o rabo entre as pernas

saiu de mansinho, evitando latidos

 

Quem acabou latindo foi o gado

que cego de febre, não viu

comprou gato por lebre

 
Publicado por AB Poeta às 23:19
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Terça-feira, 23 de Novembro de 2021

Tauromaquia

 

No centro da fome

e do desemprego

o touro dourado

não puxa arado

 

Esse fica pro povo

que atordoado

enriquece o toureiro

por um mero trocado

 

E os emolumentos

enchem a bolsa dos donos

e os sorrisos dos tolos

que do touro de ouro

só lhe sobram os excrementos

 
Publicado por AB Poeta às 22:48
Link do post | Comentar | ADD favoritos

É promoção, quem vai querer?

 
A crueldade do Estado
na ilegalidade do ambulante
faz desse desempregado
um criminoso constante
 
Nesse país de desabrigados
e da meritocracia fajuta
tentar sobreviver é um fardo
todo dia uma nova luta
 
Aqueles que seriam os obrigados
a tornar nossa vida mais justa
são os verdadeiros bandidos
já passou da hora de dar um “basta!”
 

 

Publicado por AB Poeta às 22:43
Link do post | Comentar | ADD favoritos

Ensejo

 

Os touros engordam
as vacas emagrecem
o pasto mal dividido
desiquilibra os dividendos
e quem tange a boiada
nem liga pro contraste
e o desastre vira ensejo:
o touro foi ao varejo
a vaca foi pro brejo

 

Publicado por AB Poeta às 22:41
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Terça-feira, 16 de Novembro de 2021

Em praça pública

 

Aos montes na cidade

cabanas, abrigos, barracos

um campo de refugiados?

Não, é o largo da matriz

 

Nessa coletividade

toda sorte de azarados

o brasileiro é um exilado

em seu próprio país

 
Publicado por AB Poeta às 20:23
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quinta-feira, 4 de Novembro de 2021

Armadilha

 
mais um sujeito
                       sem leito
que à rua se sujeita
                      e se ajeita
na suja sarjeta
 
um rejeito que o estado
          pegou na ratoeira
isso é o resultado
                       da sujeira
de um país sem jeito
 

 

Publicado por AB Poeta às 00:06
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quarta-feira, 3 de Novembro de 2021

Entre urubus

 
As crianças que comem no lixo
fazem uma tremenda algazarra
nos olhos um outro brilho
parece até que é divertido
 
Viram-se latas, sacos, sobras
e os rostos dos transeuntes
Soco no estomago de quem passa
mas à indignação parecem imunes
 
Triste o país que deixa suas crias
largadas à própria sorte
O governo é afeito aos ricos
azar o seu que nasceu pobre
 

 

Publicado por AB Poeta às 23:54
Link do post | Comentar | ADD favoritos

Fratura exposta

 

Manter o pobre miserável

vivendo em eterno sacrifício

para esse governo deplorável

isso são ossos do ofício

 

Roa a quem roer

 
Publicado por AB Poeta às 23:26
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quarta-feira, 6 de Outubro de 2021

Sobre nossos ombros

 

O país está no inferno
mas há dinheiro no paraíso
champagne, caviar, ternos
ilhas fiscais, bancos suíços

Ao trabalhador, sempre otário
as taxas, o peso do imposto
a fossa no fundo do poço
o prato com resto de osso
na carne o amargo desgosto

 

Publicado por AB Poeta às 01:50
Link do post | Comentar | ADD favoritos

1000 dias de regresso

 

Mil dias de (des)governo
mil dias de avacalhação
Enquanto a vaca vai pro brejo
a boiada vai á manifestação
em prol da desobediência
em prol da corrupção

Enquanto a fome só aumenta
a comitiva arrota leite condensado
e o futuro que se apresenta
é a cópia mal feita do passado
Mil dias de regresso
desordem em progresso

 

Publicado por AB Poeta às 01:46
Link do post | Comentar | ADD favoritos

O agro é

 

O agro é vida
é pop, é arma
é armação
O agro é grilagem
é desterro, é poder
é inflação
O agro é dólar
é miséria, é lobby
é extorsão
O agro é fome
é tóxico, é golpe
é escravidão
O agro é morte

 

Publicado por AB Poeta às 01:38
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags