André Braga

Setembro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Pesquise

 

Publicações

Bolsovírus

E agora, João?

O evangelistão (bancada d...

Uma mera etiqueta

O eufemismo nosso de cada...

Comitiva desventura

Moral da história

Pelo fim da “sofrência”

O rei, o servo, o sonho

Sempre presente

deus ex machina

Merdonça no ventilador

Reino animal

Guilhotina

Caiu na rede

Ao mestre com carinho

1000 dias de regresso

Sextou!

A invasão

#ForaBolsonaro

“Ô abre alas que eu quero...

A alegoria como verdade

2022

Aquários

Bocaberta

Pragas

metralhadora

Hai-Ca(ss)i(a)

Mídia imunda

Qual é o valor da educaçã...

Poliglotas semi-alfabetiz...

Analise 2 - Símbolos

Market Share

Marketing Sensorial

Símbolos e Logotipos - An...

Carômetros - Audácia Comu...

Peças

A pena mágica

Seis do um

Rede Record - Evolução do...

Tipos de Propaganda Polít...

Painéis

Arte ou publicidade?

Tome audácia

Aleatórios

Ser e Ter (Documentário)

Bolos da Dona Eunice

Convites

Contatos imediatos de pri...

Homem de Ferro

Confira também



subscrever feeds

Domingo, 11 de Setembro de 2022

Bolsovírus

bolsovirus.jpg 

Siga no instagram e no twitter @ABPoeta

Publicado por AB Poeta às 23:18
Link do post | Comentar | ADD favoritos

E agora, João?

e agora joao.jpg 

Siga no instagram e no twitter @ABPoeta

Publicado por AB Poeta às 23:10
Link do post | Comentar | ADD favoritos

O evangelistão (bancada da bíblia)

o evangelistao.jpg 

Siga no instagram e no twitter @ABPoeta

Publicado por AB Poeta às 23:06
Link do post | Comentar | ADD favoritos

Uma mera etiqueta

uma mera etiqueta.jpg 

Siga no instagram e no twitter @ABPoeta

Publicado por AB Poeta às 22:52
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quarta-feira, 20 de Julho de 2022

O eufemismo nosso de cada dia

 

Tribos indígenas já foram “povos” e, assim como favelados, viraram “comunidades”;
O negro é “afrodescendente” (o mestiço nem existe mais);
O trabalhador virou “colaborador”, e o biscateiro, que já foi “profissional liberal”, agora é o “empreendedor”;
O idoso vive a “melhor idade”;
O mendigo agora é uma “pessoa em situação de rua”;
Transformaram o pobre na “nova classe c”;
Gays e lésbicas eram “GLS”, agora diluíram na sigla “LGBTQIA+”;
O miserável, que vive “abaixo da linha da pobreza”, passou a ter “insegurança alimentar”;
Até o cão, o cachorro, passando por “doguinho”, virou “pet”;
Tudo muda…
Mas o que nunca muda é a realidade, que continua sendo uma grande e imensa “matéria fecal”.

 

Publicado por AB Poeta às 02:59
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quarta-feira, 8 de Junho de 2022

Comitiva desventura

 

Desgarrei-me da boiada

não há como suportar

o caminho que ela segue

já se sabe onde vai dar

 

Uns morrerão pela fome

outros pelo fio do cutelo

crendo no conto do vigário

do fantasma de foice e martelo

 

Os que continuam atrás do boiadeiro

ao ruído do desafinado berrante

serão marcados, insígnia da ignorância

 

E no fim esse golpista carniceiro

ser boçal de mente delirante

acabará sozinho, no lixo, na irrelevância

 
Publicado por AB Poeta às 01:00
Link do post | Comentar | ADD favoritos

Moral da história

 

O ânus tatuado é o da Anitta

o buraco sem fundo é do sertanejo

o primeiro foi pintado com tinta

o segundo é um ralo de dinheiro

 

O primeiro é da esfera privada

o segundo abunda na pública

o primeiro serviu de propaganda

o segundo serviu de futrica

 

A fanqueira mostrou ao Brasil

o que o sertanejo escondeu

E o que todo mundo aprendeu?

Quem tem cu que cuide do seu!

 
Publicado por AB Poeta às 00:52
Link do post | Comentar | ADD favoritos

Pelo fim da “sofrência”

 

Uma mero ânus tatuado
para descer até o chão
Uma lei que ninguém conhece a fundo
para incendiar a discussão
Um cowboy alienado que caiu do cavalo
e melou o “esquemão”
Agora todos sabem que o caipira
mama nas tetas do erário
na verba de saúde e educação
Falta agora a Justiça fazer força
mandar esfíncter a fora essa sujeira
laçar a quadrilha, botar na fogueira
antes da próxima farra de São João

 

Publicado por AB Poeta às 00:44
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Sexta-feira, 20 de Maio de 2022

O rei, o servo, o sonho

 

Sonhei um dia em ser rei
Por sonhar que ganhava a guerra
acordei, guerreei e venci!
Escrevi meu nome numa era
Não importa quem matei
nem quantas vezes nessa terra
fiz guerras quem nem lutei
pois eu sonho e outro esmera
dá o sangue, luta feito fera
pelo simples sonho que sonhei
Mas um dia não mais acordarei
e esse povo que nunca desperta
dará o sangue, fará a guerra
e morrerá pelo sonho de outro rei

 

Publicado por AB Poeta às 01:14
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quarta-feira, 2 de Março de 2022

Sempre presente

 

Quando eu era criança

e morava longe do mar

eu usava uma concha

para ouvir seu soar

 

Agora que cresci

e moro à beira mar

para ouvir a sua voz

utilizo o celular

 

Estar perto ou longe

do que se possa amar

pode ser suprido

há formas de se aproximar

 

Mas só a saudade

do que quero buscar

é uma ausência no peito

que nunca deixo de carregar

 
Publicado por AB Poeta às 23:09
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Terça-feira, 4 de Janeiro de 2022

deus ex machina

 

A inteligência é artificial
assim como muitos sorrisos
Não se ensina “humanidade”
                        a um androide
mas há humanos que também
               não aprendem isso
Ninguém nasce sabendo
       e apesar de saber disso
de aprender se perdeu o costume
só nos sobra mesmo é o “instinto”
Quem sabe um dia
                         a máquina acerte
e tudo isso mude

Publicado por AB Poeta às 21:47
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quinta-feira, 9 de Dezembro de 2021

Merdonça no ventilador

 

uma passo para um homem
um salto para os evangélicos
um assalto a nação
um atraso da humanidade

 

Publicado por AB Poeta às 23:24
Link do post | Comentar | ADD favoritos

Reino animal

 

No capitalismo selvagem

o bode expiatório do Estado

serviu de desculpa ao touro

que com o rabo entre as pernas

saiu de mansinho, evitando latidos

 

Quem acabou latindo foi o gado

que cego de febre, não viu

comprou gato por lebre

 
Publicado por AB Poeta às 23:19
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quinta-feira, 4 de Novembro de 2021

Guilhotina

 
Fé demais não cheira bem:
a plebe de joelhos
entre pedidos e apelos
só alivia a culpa do rei
 
ou se vive melhor agora
cobrando os “homens-da-lei”
ou se chora a agonia:
espírito cheio, barriga vazia
 

 

Publicado por AB Poeta às 00:30
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quarta-feira, 3 de Novembro de 2021

Caiu na rede

 

Ontem recebi um “joia”

hoje foi um “coração”

a “amizade” em rede

nos traz a ilusão

de uma “proximidade”

pelo clique de um botão

 

Entre sedas e farpas

mantemos uma “relação”

entre aspas

 
Publicado por AB Poeta às 23:58
Link do post | Comentar | ADD favoritos

Ao mestre com carinho

ao mestre com carinho.jpg

 

Publicado por AB Poeta às 23:43
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Quarta-feira, 6 de Outubro de 2021

1000 dias de regresso

 

Mil dias de (des)governo
mil dias de avacalhação
Enquanto a vaca vai pro brejo
a boiada vai á manifestação
em prol da desobediência
em prol da corrupção

Enquanto a fome só aumenta
a comitiva arrota leite condensado
e o futuro que se apresenta
é a cópia mal feita do passado
Mil dias de regresso
desordem em progresso

 

Publicado por AB Poeta às 01:46
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Domingo, 29 de Agosto de 2021

Sextou!

 

Sexta-feira é dia de beber
algo que deixou de ser pecado
O consumo já não o faz desmerecer
temos até monja ao nosso lado

Dizem que devo ser moderado
o que soa diferente da propaganda
mas a embaixadora nos faz criança
deixe-me beber e não encha o sacro

 

Publicado por AB Poeta às 18:40
Link do post | Comentar | ADD favoritos

A invasão

 

Sérgio Reis tocará o berrante
virá correndo o Batoré
frente à manada ignorante
“heil bozo!”, “glória deus!”, “anauê!”

Invadirão o STF, “viva o golpe!”
que transbordará feito uma fossa
Com força equina, num galope
relincharão “a praça é nossa!”

 

Publicado por AB Poeta às 18:37
Link do post | Comentar | ADD favoritos

#ForaBolsonaro

 

Age como bicho de esgoto
o escroto bolsorato
A milícia e sua família
formam a bolsoquadrilha
Asseclas tem de montão
a matilha de bolsocão
Pela boiada é amado
rebanho de bolsogado
Para completar o cenário
um monte de bolsotário
que o vê como messias
a pior das fantasias
Pelos idiotas idolatrado
só nos sobra o brado:
FORA BOLSONARO!

 

Publicado por AB Poeta às 18:28
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags