Manifestações consciente do inconsciente. Contos e poesia crônica.

Outubro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquise

 

publicações

Lançamento

A desmetamorfose

#AliceRuiz versão twitter

último verso

Salvador Dali

Ele lê mim

Poesia gera poesia

Manoel de Barros

MundoMundano e o seu novo...

2º livro do MundoMundano

Mundo Mundano

Matança

Roberto Piva

Florbela

No Espelho do Relicário

Olhos de Cecília

Encontro

2 anos no ar

#Versificados publicado

Cooperifa

Lançamento: Comunicação s...

Lançamento: Plenitude - V...

Lançamento: Antologia de ...

Lançamento: Contos Ab Abs...

Lançamento do meu livro: ...

Florbela - Didicatória

Primeira entrevista - Câm...

Lançamento: Contos da mad...

Lançamento: Os mais belos...

Lançamento: Antologia de ...

Lançamento: O melhor do c...

Lançamento: Contos de Out...

Lançamento: Antologia de ...

Lançamento: "Contos de am...

Lançamento: Antologia de ...

Lançamento: Um traço, UM ...

Lançamento: Diálogos que ...

Lançamento: Minhas Eterna...

Lançamento: Contos "Além ...

Curta o curta - Manifesto...

A Metamorfose - Franz Kaf...

Quando Nietzsche Chorou -...

Estigma - Erving Goffman

Confira também

todas as publicações

subscrever feeds

Terça-feira, 6 de Outubro de 2015

Lançamento

 

convite web 2.jpg

 

Dia 18/10, a partir das 14:30hs (até às 17hs)
BSP - Biblioteca de São Paulo
Av Cruzeiro do Sul, 2630 - Carandiru
Ao lado da estação do Metrô
Estacionamento no local (pago)


O livro custará R$30,00 (dinheiro ou cheque)

 

Clique no assunto: ,
publicado por AB Poeta às 16:16
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 16 de Setembro de 2015

A desmetamorfose

 

Numa certa manhã

ao despertar de sonhos intranquilos

Gregório da Silva

acordou

e encontrou-se

metamorfoseado

em um... Ser humano

sem ter nada de especial

 

Lento

levantou-se

Tomou banho, café

saiu de casa

ao trabalho

de coletivos

com saudades do tempo em que

era um

monstruoso e temido

inseto

 

Clique no assunto: , , ,
publicado por AB Poeta às 12:57
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 19 de Novembro de 2014

#AliceRuiz versão twitter

 

lembra do tempo que eu te seguia,

e era a forma mais fácil de saber o que fazia,

e você nem sabia?

 

 

o poema original:

 

lembra o tempo que você sentia,

e sentir era a forma mais sábia de saber,

e você nem sabia?

 

Alice Ruiz

 

 

Clique no assunto: , , ,
publicado por AB Poeta às 23:40
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 13 de Novembro de 2014

último verso

 

quando fizer meu último verso

que seja honesta minha cria

e não essa falsa poesia

lamúria à qual me presto

 

quando eu fizer esse verso

que me servirá de epitáfio

palavra quente em mármore frio

último elogio de meu universo

 

que meu último verso

seja breve e robusto

sepulcro flores arranjos

 

que meu último verso

seja augusto

seja dos anjos

 

 

*100 anos da morte de Augusto dos Anjos

Clique no assunto: , ,
publicado por AB Poeta às 18:49
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 12 de Novembro de 2014

Salvador Dali

 

ao sul do real

o salvador

 

eu daqui

ele dali

acho que nunca vou alcança-lo

 

Clique no assunto: , ,
publicado por AB Poeta às 15:36
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 1 de Agosto de 2013

Ele lê mim

 

e lê lê

ele lê

ele leme

ele lê me

ele lê mim

ele lê mins

ele lê mins que

 

Ele

Leminski

 

Clique no assunto: , , ,
publicado por AB Poeta às 03:58
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Sábado, 17 de Novembro de 2012

Poesia gera poesia

 

Não é difícil o quanto pensamos

Muito menos é uma proeza

 

Vileza não se acaba com reza

pra viver em harmonia

é só seguir uma alegria:

gentileza gera gentileza

 

 


Clique no assunto: , , ,
publicado por AB Poeta às 13:18
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 21 de Dezembro de 2011

Manoel de Barros

 

Quando se lê Manuel, gente se árvore

chega  brotar passarinho

na cuca

e caramujo

na alma

 

Trilha aberta na mata por palavra

pra ouvir o silêncio da pedra

 

Deita grama no verde

pra ver céu

riscado brilhoso

de lesma

 

Um rio que passa atrás dos olhos

 

Manoel é de barros

eu sou menos

sou de asfaltos

 

 

 

Clique no assunto: , , , ,
publicado por AB Poeta às 12:49
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 18 de Novembro de 2011

MundoMundano e o seu novo mundo

 

Está à venda o 2º livro do MundoMundano. Nessa edição foram publicados dois textos meus!

 

Compre-o!

 Clique aqui e saiba como adquiri-lo.

 

publicado por AB Poeta às 18:55
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Terça-feira, 25 de Outubro de 2011

2º livro do MundoMundano

 

MundoMundano se prepara para lançar seu segundo livro de contos, crônicas, poesias e afins, e eu tenho a honra e felicidade participar dessa segunda edição.

 

Todos estão convidados para a festa de lançamento.

 

 

publicado por AB Poeta às 12:52
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 15 de Abril de 2011

Mundo Mundano

 

A palavra que lavra

o chão que gira profano

constrói o mundo

Mundo Mundano

 

 

Leia: www.mundomundano.com.br

 

 


 

Clique no assunto: , , ,
publicado por AB Poeta às 16:42
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 22 de Dezembro de 2010

Matança

 

Verbos, versos e outras matanças

Vestes, vítimas em tantas andanças

Rostos e restos em rodas de dança

Bocas e beijos, cabelos de tranças

Murros e marras em ponta de lança

Erro e erro, desde criança

 

Assassino a(à) soul(ta)

Carnificino-me o corpo

Minha matança mira morte minha

 

Matança...

Diariamente meu fim adia

 

Matança...

Dia-a-dia em meu peito ardia

 

Matança

Ainda que tardia...

 

Quantas vezes preciso morrer

Para ser quem eu sou?

Clique no assunto: , , ,
publicado por AB Poeta às 12:36
link do post | comentar | ver comentários (2) | adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 29 de Novembro de 2010

Roberto Piva

 

 

Roberto Piva - 1937/2010

 

Clique no assunto: , , , , ,
publicado por AB Poeta às 19:50
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Domingo, 28 de Novembro de 2010

Florbela

 

Quando teu olhar cruzou com minha dor

Voltei ávido para a vida

De forças renovado para a lida

E entendi o significado da palavra Amor

 

Obrigado minha Flor

 

 

 

Florbela Espanca - 1894/1930

 

Clique no assunto: , , ,
publicado por AB Poeta às 13:01
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Sábado, 27 de Novembro de 2010

No Espelho do Relicário

Não costumo publicar poemas não meus no blog, mas me identifiquei muito com este, dum poeta amigo:

 

 

No Espelho do Relicário

(Do poeta Teofilo Tostes Daniel ao amigo maluco Marcelo Tosta, o título e o poema)

 

Cansei de ser um personagem secundário,

E justo dentro desta minha própria vida!

Já me cansei de ter a essência corroída

Sempre por mim, em meu espírito sectário.

 

Não mais desejo eu habitar meu relicário,

Já tão vazio de meu rosto e da querida

Lembrança física de um tempo em que ferida

Era somente um anormal vocabulário

 

O que é tristeza e o que é meu peito eu já não sei.

O meu sorriso é tão sincero quanto à lei

Que, nos meus olhos, rege límpida maré.

 

Há secas lágrimas, furtivas esta noite!...

Desde a epigênese que sofro este açoite:

Estou sozinho desde a “Arca de Noé”.

 

 

Do livro: Poemas para serem encenados

http://www.teofilotostes.blogger.com.br/

 

Clique no assunto: , , , ,
publicado por AB Poeta às 10:08
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 24 de Novembro de 2010

Olhos de Cecília

 

I

 

Tenho olhos de Cecília

Quando penso em meu Anjo

Enquanto ando pela cidade

 

Tu, Anjo, és a minha maravilha

Que aparece como encanto

Nos meus olhos que se fecham de saudade...

 

II

 

Correrei pelos canteiros

Todos e por inteiro

Como última proeza

Atrás da framboesa

Que brota de tua boca

 

Meus dedos longos em teus cabelos

Negros novelos feitos de noite

Uso-os de açoite nos versos que invento

Não mais de tristeza e sim de contentamento

 

 

 

 

Pra ouvir: Canteiros

Clique no assunto: , , ,
publicado por AB Poeta às 20:14
link do post | comentar | ver comentários (2) | adicionar aos favoritos
Sábado, 4 de Setembro de 2010

Encontro

 

Seu nome

Alma

Vulgo Amor...

Desbravador daquele olhar

Que nas palavras se perdeu

Mas nunca por desamor

E sempre no esperar de outra vez...

 

(na cidade perdida, entre as ruas do cobre, campos de sono e esquinas de soldados andrógenos, aguarda o navio dos sonhadores...)

 

...A alma perpetua

No tempo

A espera...

Clique no assunto: , ,
publicado por AB Poeta às 04:27
link do post | comentar | ver comentários (2) | adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 2 de Setembro de 2010

2 anos no ar

 

Nem parece, mas já faz dois anos que o Mundo ID está a deriva nesse mar caótico e (des)informacional que é a internet. A primeira postagem, uma brincadeira totalmente sem pretensão alguma com o nosso ex-vice-presidente Marco Maciel, que acabou indo parar no Desenblogue (mas isso é outra história) seria apenas o começo de algo que me levaria muito mais longe.

 

Este blog começou por incentivo de uma ex-professora de faculdade, que depois de ler um texto que fiz para a aula de filosofia, ficou encantada com a organização das minhas palavras e idéias. Publiquei mais alguns textos acadêmicos, e só depois de um tempo passei a escrever com mais “liberdade”. Algumas crônicas, contos, idéias sem pé nem cabeça... A poesia veio bem depois.

 

Depois de virar vício e paixão, as poesias contidas no blog viraram um livro: Poemas Errados (dias intranqüilos). Nunca em toda minha vida pensei que fosse publicar um livro, ou que teria algum conto ou poema publicado de forma física. Graças ao blog, hoje sou escritor. Além do meu livro, fui publicada em diversas seleções (acho que são dez no total) da Câmara Brasileira de Jovens Escritores e num livro de poemas do Instituto de Filosofia de MT.

 

Escuto muita gente falando que tem textos engavetados, que não tem coragem de mostrá-los a ninguém. Isso é um erro. Sugiro a todos que pensam assim que montem um blog e que publiquem esses textos. Muita gente vai ler e, com toda certeza, os incentivarão a escrever cada vez mais. Coloquei um contador de visitas no meu blog, a pouco mais de três meses, e para minha surpresa ele já passou das 10.000 visitas! Para mim esse número é simplesmente inacreditável! Façam um blog, recomendo!

 

Outra coisa que se diz muito sobre os blogs, e sobre a internet também, é que nela se produz muito conteúdo ruim, sem qualidade. E quando escuto isso eu me pergunto: e que meio de comunicação que não produz coisas ruins? A TV é o maior exemplo deles, ou não? As coisas ruins fazem parte de qualquer coisa. Pior do que ler um blog ruim é ler um livro ruim... Não dêem bola para os comentários negativos sobre a internet, não vale a pena.

 

Dois anos depois de um começo despretensioso, já tenho um livro lançado e vários textos espalhados na rede por ai... Até aonde será que este blog irá me levar?

 

Clique no assunto: ,
publicado por AB Poeta às 15:51
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Sábado, 17 de Julho de 2010

#Versificados publicado

 

Folha de São Paulo 17/07/10

 

 

 

Clique e conheça o #Versificados

Clique no assunto: , , ,
publicado por AB Poeta às 18:22
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 9 de Julho de 2010

Cooperifa

 

A Cooperifa prolifera

Pelos quatro cantos da periferia

E a palavra que nela prospera

Mostra que seu povo (lindo)

Que amanhece sorrindo

E que luta dia após dia

Tem cara e tem cultura

Tem voz e tem postura

Vontade, amor e ternura...

 

Bem diferente do que espera

Uma elite descrente

A periferia já não espera

E através da Cooperifa

Mostra que sua gente

Nunca foi pífia

 

Clique no assunto: , , ,
publicado por AB Poeta às 15:46
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros

Livros por demanda

Poesias declamadas

Clique no assunto

todas as tags