André Braga

Setembro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Pesquise

 

Publicações

Canção da despedida

A farda, um fardo

Xeque-mate

Bolsovírus

Bicentenário

Um sórdido arquétipo

E agora, João?

Delícia e dissabor

O evangelistão (bancada d...

Juventude transviada

O coração da história

Uma mera etiqueta

Sobre a humanidade

Aquele brilho

A carta e o carteado

Uma questão central

#BolsonaroNuncaMais

O orgulho de ser burro II

Mãos à obra

Uma questão central

A casa abandonada

Bang-bang à brasileira

História intrínseca

Tapando a fossa

O eufemismo nosso de cada...

O burrico e a cenoura

Detrito federal

Os mendigos de gravata

Campeão mundial da vergon...

O mestiço

Urna funerária

O coral dos mudos

Comitiva desventura

Moral da história

Pelo fim da “sofrência”

Com a faca e o queijo nas...

O inevitável dragão que n...

João, o desavindo

O rei, o servo, o sonho

Burnout

Estaca zero

Vila Rica

Quinto dos infernos

O sacro de Ouro Preto

No compasso dos corações

Cegueira voluntária

Virando fumaça

Falta de Nação

Forças Mamadas

O mito da caserna

Confira também



subscrever feeds

Domingo, 27 de Setembro de 2020

Para Florbela

 

Às vezes escrevo versos raros

tão raros que os guardo para ti

Versos afeitos aos teus ardorosos

poemas, os mais cálidos que já li

 

Teço, de raro em raro verso

mesmo com vocabulário parco

uma ode que a ti com eles faço

fulgor sincero do meu peito emerso

 

E por essas linhas mal traçadas

dois tercetos duas quadras

rogo à su'alma de bela poetiza

 

Nossas vidas em cosmos separadas

mas por afinidade outrora unidas

se aproximam agora por essa poesia

 

Clique no assunto: , , ,
Publicado por AB Poeta às 18:01
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags