André Braga

Julho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Pesquise

 

Publicações

A cura

Fale, Queiroz

Ave maria

19/06

Um café pra dois

A Caverna do Dragão

A peste

O “trezentismo”

Amor nos tempos de corona...

Aos que abanam o rabo

É frias

Embate chucro

Fim de namoro

O grande mentecapto

Sacro cheio

A nova política

Bandeirolas

Próxima cena

O churrasco

João, o fanfarrão

Regina, let's pum

O pelotão caterva

Epitáfio

O pobre brasileiro

A costureira

E daí?

É bolsodória!

Labirinto

O capitão chupeta

A canetada saiu pela cula...

Aleluia no país do carnav...

Fanáticos FC

A verdadeira história de ...

Amor nos tempos de corona...

Quarentena

Da natureza

Flatulência mental

Do amor que er[r]a

Canção do Exausto

Mineral

Joker

Torcedores FC

O alcoólatra

Animais e refeições

Remoenda

Joinha

A riqueza amazônica

Astros ilícitos

Estrela submersa

Triturados

Confira também




subscrever feeds

Sexta-feira, 28 de Agosto de 2015

O relógio da vovó

 

Ah, se o mundo fosse

como o relógio da vovó

seria bem melhor:

acordar e não dar corda

ao que acontece lá fora

e do seu lado

ver o tempo parado

 

Não existiria o tempo passando

nem o tempo passado

nem os dias corridos

Só o instante sendo

eternamente vivido

 

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 23:29
Link do post | Comentar | ADD favoritos
2 comentários:
De Antonio Oliveira a 29 de Agosto de 2015 às 01:56
Quem dera o tempo voltasse e poder reencontra-lá.
Ótima poesia, recordou-me minha querida avó que partiu a poucos anos.

Abraços
De AB Poeta a 9 de Setembro de 2015 às 02:36
Minha avó ainda não partiu, mas não está conosco há algum tempo... ela tem Alzheimer e está beirando os 100 anos. Apesar dos pesares, está bem.

Vlw pelo comentário.

Abrçs

Comentar post

Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags