André Braga

Outubro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Pesquise

 

Publicações

Sobre nossos ombros

1000 dias de regresso

O agro é

Futuro

Clara escuridão

Fome

Trambolho

Criacionismo

Jair e o pé de feijão

Sextou!

A invasão

A marcha dos valdevinos

A nova independência

O dia do golpe

#ForaBolsonaro

O agro é pop

Rega-bofe

Medidas

“Ô abre alas que eu quero...

o pulso ainda pulsa...

Tempos frios

Espelho meu

Frio

Expiação

Mitomania

Tropa laranja

um poema solto no espaço....

Copropolítico

Marcha do xilindró

Fecopolítico

Credo

Habeas porcos

Síndrome de Estocolmo

Necropolítica

Nas ruas

Já vai tarde

Estafeta do capeta

O homem sem qualidade

Dor nossa de cada dia

A alegoria como verdade

2022

Golpistas

Brasil à deriva

Marchinha do militar com ...

"Eggo"

A flor do jardim

Aquários

Cala boca já morreu

Corticoides

Bandeira preta

Confira também



subscrever feeds

Quarta-feira, 4 de Março de 2015

o mar dentro da concha

 

na conversa calorosa

na rede fria

entre muitas palavras

e poucas imagens

surge parte nua

do corpo alvo

felino e longo

e aos poucos outras:

o colo cálice

a coisa lisa e brilhosa

o seio simétrico

a boca estática em forma de beijo

o olhar vivo que sugere o sorriso

 

e o universo que nos cerca

que ainda está em expansão

de repente se contrai

a coerciva distância geográfica acaba

na equidistância do desejo

e a ideia de espaço some

 

é como a mágica que acontece

nas trocas de cartas entre amantes

que aproxima suas mãos através do papel perfumado

como a foto que vive na carteira

ícone que ameniza a ausência

como a pequena concha jogada na areia

que ao pé do ouvido ruge

porque dentro carrega o mar

 

a troca virtual

desvirtua o impossível

sinto sua presença

e tudo se torna atemporal

 

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 11:41
Link do post | Comentar | ADD favoritos
2 comentários:
De Marcos Veloso a 5 de Março de 2015 às 20:10
Um encontro no mar amor,dentro do mais puro desejo latente,amantes entregam-se a vida,ao tempo mar amor sem horas para deixar,os sussúrros e palavras aos beijos do mar amor,fogo etérno aos tempos caminhos até sentir a liberdade do mais puro êxtase.
De AB Poeta a 6 de Março de 2015 às 21:44
rsrs

belo comentário/poesia!

vlw!

abrçs

Comentar post

Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags