André Braga

Julho 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Pesquise

 

Publicações

Tropa laranja

um poema solto no espaço....

Copropolítico

Marcha do xilindró

Fecopolítico

Credo

Habeas porcos

Síndrome de Estocolmo

Necropolítica

Nas ruas

Já vai tarde

Estafeta do capeta

O homem sem qualidade

Dor nossa de cada dia

A alegoria como verdade

2022

Golpistas

Brasil à deriva

Marchinha do militar com ...

"Eggo"

A flor do jardim

Aquários

Cala boca já morreu

Corticoides

Bandeira preta

A bolsoquadrilha

Outros 500?

Freak Show

Harmonia

Asseclas do capitão

Huck, o incrível

Aos bolsolixos II

Tome a vacina

Picanha pra mim, pra você...

Imunidade de rebanho

Fármacos

Tico e Teco

Coprófilos

Aos anais da pandemia

Por uma única bandeira

Comparsas

Motoataxia

6 anos atrás

Sem máscara

A máquina da morte

Aos bolsolixos

CPI dos acovardados

O orgulho de ser burro

O socialismo que produz m...

Fés

Confira também



subscrever feeds

Sexta-feira, 3 de Abril de 2020

A verdadeira história de um brasileiro

 

Lá vai ele, o brasileiro
com seu livreto na mão
largando a ciência no bueiro
crendo ter fé na sua oração

Pandemia é coisa do estrangeiro
“a gente não pega isso aqui não”
Nadando no esgoto, meio ao lameiro
bichos escrotos “garantem” imunização

Na quarentena fez esperneio
“a economia não pode parar não!”
É a saudade de bater um pandeiro
apertado em meio à multidão

“Mas como ganharemos (mais) dinheiro?
Voltem ao trabalho!”, lhe disse o patrão
“Morrerá somente meio milheiro
e qualquer coisa, fujo daqui de avião”

"Orientações da OMS? Sou 'corneteiro'!
Comunistas, aqui nunca passarão!”
Quem sabe arrume emprego de coveiro?
O mercado muda conforme a ocasião

Fome, ele passa o ano inteiro
só agora isso virou preocupação
Oportunismo, demagogia, “marqueteiro”
cada hora aparece um com a “solução”

No embate político, está no meio
de um lado o civil, do outro o capitão
Independente do voto, ele está alheio
é o que mais sofrerá com a infecção

Parece que ele não percebe o entrevero:
doença, morte, dor, falta de consideração
A desgraça anunciada pelo jornaleiro
"teremos que usar os trens como rabecão"

Ricos ou pobres, todos são hospedeiros
os segundos são os que mais sofrerão
Segue a vida na esperança, o brasileiro
sem muita consciência da atual situação

 

Publicado por AB Poeta às 18:49
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags