André Braga

Fevereiro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28

Pesquise

 

Publicações

Cancelamento

Bocaberta

Pragas

Carnacaserna

Fazendo a feira

Fartura

Ménage matinal

Gata borralheira

Bonito na foto

Adestrado II

Adestrado

Corpo incivil

Tomando no centrão

Homem ao mar II

Vacina brasileira

Homem ao mar

Intolerâncias

Como as ruas já diziam

Piada mundial

Impeachment já!

Feliz Natal

Doenças nossas de cada di...

Madrugar

O dia do Saci

Eterno halloween

A fruta proibida

Constructo

O "astronada"

Oito vezes 10

Real indo pro buraco

O diamante da cidade

Para Florbela

Restos da quarentena

Seres do pântano

Curupira pirofágico

Do verde às cinzas

O amanhã a deus pertence

Churrasco

O general de pijama

A covid e o covil

Quando tudo passar

Filho da pátria

Infectados

Quiromania nossa de cada ...

Pasto Brasil II

Asas à burrice

Brincadeiras

Tiro curto

Pasto Brasil

O uso da máscara

Confira também




subscrever feeds

Sexta-feira, 3 de Abril de 2020

A verdadeira história de um brasileiro

 

Lá vai ele, o brasileiro
com seu livreto na mão
largando a ciência no bueiro
crendo ter fé na sua oração

Pandemia é coisa do estrangeiro
“a gente não pega isso aqui não”
Nadando no esgoto, meio ao lameiro
bichos escrotos “garantem” imunização

Na quarentena fez esperneio
“a economia não pode parar não!”
É a saudade de bater um pandeiro
apertado em meio à multidão

“Mas como ganharemos (mais) dinheiro?
Voltem ao trabalho!”, lhe disse o patrão
“Morrerá somente meio milheiro
e qualquer coisa, fujo daqui de avião”

"Orientações da OMS? Sou 'corneteiro'!
Comunistas, aqui nunca passarão!”
Quem sabe arrume emprego de coveiro?
O mercado muda conforme a ocasião

Fome, ele passa o ano inteiro
só agora isso virou preocupação
Oportunismo, demagogia, “marqueteiro”
cada hora aparece um com a “solução”

No embate político, está no meio
de um lado o civil, do outro o capitão
Independente do voto, ele está alheio
é o que mais sofrerá com a infecção

Parece que ele não percebe o entrevero:
doença, morte, dor, falta de consideração
A desgraça anunciada pelo jornaleiro
"teremos que usar os trens como rabecão"

Ricos ou pobres, todos são hospedeiros
os segundos são os que mais sofrerão
Segue a vida na esperança, o brasileiro
sem muita consciência da atual situação

 

Publicado por AB Poeta às 18:49
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags