André Braga

Fevereiro 2023

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

Pesquise

 

Publicações

O talco anal do palhaço

A moral na marca da cal

Poemografia

As novidades de Ratanabá

Expectação

O patriotário

Quadrúpedes

06 DO 1

Amnésia voluntária

Já Air

Ao eterno rei Pelé

Callichirus major (crustá...

Só mais 72hs

Messitrocracia

Seleção Amarela

Marca passo

Nuvens, nuvens...

Cão perdido

A troça do mundo é nossa

Entre sonhos

Missão Marte

A economia no reino de Ra...

O cão do planalto

O reino de Ratanabá

"Marcha soldado, cabeça d...

02/11/2022

Acabou

Acabou

Carta aos (de)missionário...

A profecia

Palanque divino

Supernova

A casa da moeda da fé

Mais 4, pra que?

Fim de papo

Céu de outubro

A idolatria

Canção da despedida

A farda, um fardo

Xeque-mate

Bolsovírus

Bicentenário

Um sórdido arquétipo

E agora, João?

Delícia e dissabor

O evangelistão (bancada d...

Juventude transviada

O coração da história

Uma mera etiqueta

Sobre a humanidade

Confira também



subscrever feeds

Domingo, 17 de Outubro de 2010

Langor

 

Quieta, e feliz, em meu canto

Indiferente aos olhares de dó

Que me acompanham

 

Na estante sei que está a foto

Do instante nosso

Acima dos livros e das fadas

 

Do fim te desejo o começo

Da dor te sugiro a força:

A Vida começa todos os dias...

 

 

 

 

Baseado no poema de:

Etelvina Kazuko Massuda (Ethel)

 

Langor

 

Me veem

frágil, dolorida e langorosa

Em mim,

só felicidade.

Nosso amor

superou todos os

Contos de Fadas.

Imenso, pois

retratado,

congelado na eternidade

E desejar

ao meu amado,

após a separação,

após a superação da dor,

ir ao encontro de um

novo amor.

 

 

 

LANGUIDEZ. Estado do desejo amoroso, experiência da sua falta, fora de qualquer querer-possuir. – do livro Fragmentos de um discurso amoroso, de Roland Barthes.

 

Clique no assunto: , , ,
Publicado por AB Poeta às 21:38
Link do post | Comentar | ADD favoritos
2 comentários:
De Naty a 19 de Outubro de 2010 às 16:39
por que ou se é bom, ou não é nada!
De AB Poeta a 19 de Outubro de 2010 às 17:00
acho que sou os dois rs rs rs

Comentar post

Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags