André Braga

Janeiro 2023

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30
31

Pesquise

 

Publicações

A moral na marca da cal

Poemografia

As novidades de Ratanabá

Expectação

O patriotário

Quadrúpedes

06 DO 1

Amnésia voluntária

Já Air

Ao eterno rei Pelé

Callichirus major (crustá...

Só mais 72hs

Messitrocracia

Seleção Amarela

Marca passo

Nuvens, nuvens...

Cão perdido

A troça do mundo é nossa

Entre sonhos

Missão Marte

A economia no reino de Ra...

O cão do planalto

O reino de Ratanabá

"Marcha soldado, cabeça d...

02/11/2022

Acabou

Acabou

Carta aos (de)missionário...

A profecia

Palanque divino

Supernova

A casa da moeda da fé

Mais 4, pra que?

Fim de papo

Céu de outubro

A idolatria

Canção da despedida

A farda, um fardo

Xeque-mate

Bolsovírus

Bicentenário

Um sórdido arquétipo

E agora, João?

Delícia e dissabor

O evangelistão (bancada d...

Juventude transviada

O coração da história

Uma mera etiqueta

Sobre a humanidade

Aquele brilho

Confira também



subscrever feeds

Quarta-feira, 13 de Outubro de 2010

Na beira

 

Tudo é areia

Que beira o mar

E tudo vai se apagar

Um dia

 

A vida é um verso escrito

Na beira

Que dura até a próxima onda

 

No vai-e-vem infinito

A onda mostra

À areia

Como tudo é frágil

Volátil

 

E a areia diz

Para quem escreve nela

Que aproveite a boa maré

Porque na próxima onda

Tudo pode se apagar...

Clique no assunto: ,
Publicado por AB Poeta às 18:49
Link do post | Comentar | ADD favoritos
2 comentários:
De Naty a 19 de Outubro de 2010 às 16:43
por isso viver um dia de cada vez é hoje mais acertado do que tomar o mundo em um gole ! parabés belissimo esse
De AB Poeta a 19 de Outubro de 2010 às 17:04
depois do papel, parei de escrever na areia, também não confio nela! rs rs

Comentar post

Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags