André Braga

Maio 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Pesquise

 

Publicações

O rei, o servo, o sonho

Burnout

Estaca zero

Vila Rica

Quinto dos infernos

O sacro de Ouro Preto

No compasso dos corações

Cegueira voluntária

Virando fumaça

Falta de Nação

Forças Mamadas

O mito da caserna

I did it my way…

São Paulos*

E o Oscar vai para

O pai tá on… onde?

Mamãe, falei...

Sobre o “vencedor”

Conflito

Sempre presente

Banco Nacional de Humanid...

Bichos escrotos

Laudêmio

A volta ao inverno russo

O bandido de patente

O relógio de areia

O presidente trans

O reservista

Uma estória triste de pes...

E ela se foi...

Vagabundo à beira mar

deus ex machina

Estatística de natal

Sobre a desigualdade soci...

só os ossos

...

Sobre a união

Merdonça no ventilador

Reino animal

Tauromaquia

É promoção, quem vai quer...

Ensejo

Até quando

Em praça pública

Guilhotina

Perto do fogo

Fezes de cada dia

Passageiro

...

Armadilha

Confira também



subscrever feeds

Sábado, 4 de Setembro de 2010

Pipa de papel

 

Lá vai longe lá em cima no céu

A pipa colorida de papel

Limitada pela branca linha

Que fica embolada numa latinha

 

Também chamada de Papagaio

Peixinho, Raia, Maranhão

Ou Quadrado, alimenta a ilusão

Do garoto pobre e esguio

 

Quantas coisas não voam junto com ela

Nem lembramos de Morros ou Favelas

Nesse momento infantil e alado

Todas as mazelas ficam de lado

 

Só existem a brisa e as cores

Das nuvens beija-flores

As pipas fazem seu papel voando

Desbicando, aparando e habitando

Um universo paralelo e infinito

Que torna o nosso pesado finito

Mais leve e um tanto mais bonito

 

Finda o dia com a pipa brincado

Volta a branca linha para a latinha

E o sonho que antes era alado

Num canto da casa pernoita quietinha

 

No outro canto da casa pequena

Depois de tornar a dor amena

Repousa feliz o garoto sonhador

Imaginando que algum dia na vida

Todos os homens deixem a lida

Desenrolem suas negras linhas

De suas surradas latinas

E pintem de colorido o azul do céu

Com suas pipas de papel...

 

(Até as negras linhas se confundirem com as nuvens)

Clique no assunto: , , , ,
Publicado por AB Poeta às 17:23
Link do post | Comentar | ADD favoritos
4 comentários:
De @pammyjonas a 5 de Setembro de 2010 às 02:59
Gente,são lindos seus poemas,você escreve bem e profundamente,vai além do que letras jogadas no papel,mexe com a ação em função com o sentimento, OWWWN, adorei ,viiu ? tá de parabéns e continue assim, escrevendo mais e mais,isso ajuda demais *----*' Favoritei aqui pra smp dar uma passadinah e olhar seus textos maravilhosos *---*'

xoxo :*
De AB Poeta a 5 de Setembro de 2010 às 17:14
uauu! Vlw pelos elogios e comentário!

Bjos
De Raquel a 18 de Outubro de 2010 às 02:48
André,
'alimenta a ilusão', 'sonho alado'... são citações muito bonitas.
Não li tudo, mas pelo título esse me chamou a atenção.
E como a pipa, tantas coisas colorem a vida da gente... essa poesia é linda.

:)
De AB Poeta a 18 de Outubro de 2010 às 11:59
Obrigado Raquel, fico contente que já tenha lido algumas e que tenha gostado!

Bjos

Comentar post

Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags