Minhas poesias.

Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Pesquise

 

Publicações

A peste

O “trezentismo”

Amor nos tempos de corona...

Aos que abanam o rabo

É frias

Embate chucro

Fim de namoro

O grande mentecapto

Sacro cheio

A nova política

Bandeirolas

Próxima cena

O churrasco

João, o fanfarrão

Regina, let's pum

O pelotão caterva

Epitáfio

O pobre brasileiro

A costureira

E daí?

É bolsodória!

Labirinto

O capitão chupeta

A canetada saiu pela cula...

Aleluia no país do carnav...

Fanáticos FC

A verdadeira história de ...

Amor nos tempos de corona...

Quarentena

Da natureza

Flatulência mental

Do amor que er[r]a

Canção do Exausto

Mineral

Joker

Torcedores FC

O alcoólatra

Animais e refeições

Remoenda

Joinha

A riqueza amazônica

Astros ilícitos

Estrela submersa

Triturados

Manhãs bragantinas

A gaiola

Aquífero paulistano II

O laranjal

Black Friday

Aquífero paulistano

Confira também




Todas as publicações

subscrever feeds

Sábado, 4 de Setembro de 2010

Encontro

 

Seu nome

Alma

Vulgo Amor...

Desbravador daquele olhar

Que nas palavras se perdeu

Mas nunca por desamor

E sempre no esperar de outra vez...

 

(na cidade perdida, entre as ruas do cobre, campos de sono e esquinas de soldados andrógenos, aguarda o navio dos sonhadores...)

 

...A alma perpetua

No tempo

A espera...

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 04:27
Link do post | Comentar | ADD favoritos
2 comentários:
De Naty a 5 de Setembro de 2010 às 02:40
E quando a gente não fala nada? o silêncio fala alto quando a voz que dá o brado ... é a voz de um ser encantado... mil beijos
De AB Poeta a 5 de Setembro de 2010 às 17:20
a poética do seus comentários estão me deixando no chinelo rs rs...

Bjão!

Comentar post

Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Clique no assunto

todas as tags