Minhas poesias.

Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Pesquise

 

Publicações

A peste

O “trezentismo”

Amor nos tempos de corona...

Aos que abanam o rabo

É frias

Embate chucro

Fim de namoro

O grande mentecapto

Sacro cheio

A nova política

Bandeirolas

Próxima cena

O churrasco

João, o fanfarrão

Regina, let's pum

O pelotão caterva

Epitáfio

O pobre brasileiro

A costureira

E daí?

É bolsodória!

Labirinto

O capitão chupeta

A canetada saiu pela cula...

Aleluia no país do carnav...

Fanáticos FC

A verdadeira história de ...

Amor nos tempos de corona...

Quarentena

Da natureza

Flatulência mental

Do amor que er[r]a

Canção do Exausto

Mineral

Joker

Torcedores FC

O alcoólatra

Animais e refeições

Remoenda

Joinha

A riqueza amazônica

Astros ilícitos

Estrela submersa

Triturados

Manhãs bragantinas

A gaiola

Aquífero paulistano II

O laranjal

Black Friday

Aquífero paulistano

Confira também




Todas as publicações

subscrever feeds

Domingo, 15 de Agosto de 2010

Lendas das pedras que rolam

 

No ônibus mágico que trilha as pautas

Paul disse a John que Léri é bi

E George, o que já foi Boy

Disse para o velho Roy

Que gostaria de ser uma linda mulher

 

Bob o jardineiro

Luta pelo verde e o orvalho

Quer que a vida seja mais natural

E sopra o divino para o infinito

 

Jim desejando o fim

Evocou seu xamã

E numa certa manhã

Fechou sua última porta

 

Madonna, mãe virgem e santa

Dá o peito aos lábios

Do garoto Jesus

Depois apara-o no colo (do útero)

 

Janes e Bob Mcgee

Admiram o cozinheiro Jimi

Preparar seu apimentado

Psico Chilli voodoo

 

No fliperama:

Quem?

O feiticeiro cego!

É a bola da vez

Próximo!

 

Na bifurcação

Entre a estrada do Céu

E a da Estrela

Seguimos a estrada

Do inferno

 

Que de um lado é possível ver

Os cavaleiros alados

A serviço de Satã

Cuspirem sangue

E pisarem em pássaros

 

E do outro, um velho senhor

Bruxo que aos sábados

Come morcegos vivos

E faz salada de ratos

 

O tempo rápido encolhe

A cada ano igual que passa

E de volta à nossa casa

Percebemos que ele nos tolhe

 

E rolam as pedras...

E morre a carne...

E ficam os mitos...

 

Nessa viagem

Que apenas está começando

 

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 03:52
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Clique no assunto

todas as tags