André Braga

Janeiro 2023

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30
31

Pesquise

 

Publicações

A moral na marca da cal

Poemografia

As novidades de Ratanabá

Expectação

O patriotário

Quadrúpedes

06 DO 1

Amnésia voluntária

Já Air

Ao eterno rei Pelé

Callichirus major (crustá...

Só mais 72hs

Messitrocracia

Seleção Amarela

Marca passo

Nuvens, nuvens...

Cão perdido

A troça do mundo é nossa

Entre sonhos

Missão Marte

A economia no reino de Ra...

O cão do planalto

O reino de Ratanabá

"Marcha soldado, cabeça d...

02/11/2022

Acabou

Acabou

Carta aos (de)missionário...

A profecia

Palanque divino

Supernova

A casa da moeda da fé

Mais 4, pra que?

Fim de papo

Céu de outubro

A idolatria

Canção da despedida

A farda, um fardo

Xeque-mate

Bolsovírus

Bicentenário

Um sórdido arquétipo

E agora, João?

Delícia e dissabor

O evangelistão (bancada d...

Juventude transviada

O coração da história

Uma mera etiqueta

Sobre a humanidade

Aquele brilho

Confira também



subscrever feeds

Domingo, 1 de Agosto de 2010

Giraluas

 

Quando o dia cai e o balcão encerra

A Lua se contrapõe ao negro do resto

Fazendo as Giraluas desabrocharem soltando perfumes, gestos e jeitos

Atraindo ceifeiros desnutridos com suas foices fálicas

Dando sentido a toda essa existência noturna e contratual

 

As Giraluas são das mais variadas cores

Usam poucas pétalas de seda e renda

Que são arrancadas num quem-me-quer qual-me-quer

Que perdura por todo o período da colheita

 

Édipos órfãos que nunca sugaram suas mães

Aos pés pintados e podados das Giraluas

Encontram leito, leite e deleite

Esparramam-se, explodem e derramam gametas infecundos

Sobre a terra que um dia há de engoli-los

 

Ao raiar o dia as Giraluas recolhem seus caules cansados

Cheios de espinhos pontiagudos e venenos que só contaminam a si

E sedem lugar aos vegetais carnívoros

Que se matam por um fio de sol

 

Sol esse que reordena as coisas do ser

Ilumina os olhos cansados dos agricultores

Aquece mortos, montes e solidão

E faz o Girassol abrir seus braços na manhã

Achando que o dia é belo

Clique no assunto: , , ,
Publicado por AB Poeta às 23:25
Link do post | Comentar | ADD favoritos
4 comentários:
De Wellington a 2 de Agosto de 2010 às 19:31
Olá André!

Com tanta produção assim logo logo sairá outro livro, ehim!

Giraluas... muito tempo que não ouço essa palavra. Belo poema, singelo e melancólico.

Parabéns!
De AB Poeta a 2 de Agosto de 2010 às 20:12
outro livro ainda está bem longe... tenho que vender o primeiro ainda!

Abrçss
De Anderson Meireles a 22 de Julho de 2011 às 00:01
O que seria da noite se não houvessem flores boêmias?
Abraço!
De AB Poeta a 22 de Julho de 2011 às 02:20
seria só escuridão...

Vlw pelo comentário!

abrçs

Comentar post

Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags