André Braga

Outubro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31

Pesquise

 

Publicações

Carta aos (de)missionário...

A profecia

Palanque divino

Supernova

A casa da moeda da fé

Mais 4, pra que?

Fim de papo

Céu de outubro

A idolatria

Canção da despedida

A farda, um fardo

Xeque-mate

Bolsovírus

Bicentenário

Um sórdido arquétipo

E agora, João?

Delícia e dissabor

O evangelistão (bancada d...

Juventude transviada

O coração da história

Uma mera etiqueta

Sobre a humanidade

Aquele brilho

A carta e o carteado

Uma questão central

#BolsonaroNuncaMais

O orgulho de ser burro II

Mãos à obra

Uma questão central

A casa abandonada

Bang-bang à brasileira

História intrínseca

Tapando a fossa

O eufemismo nosso de cada...

O burrico e a cenoura

Detrito federal

Os mendigos de gravata

Campeão mundial da vergon...

O mestiço

Urna funerária

O coral dos mudos

Comitiva desventura

Moral da história

Pelo fim da “sofrência”

Com a faca e o queijo nas...

O inevitável dragão que n...

João, o desavindo

O rei, o servo, o sonho

Burnout

Estaca zero

Confira também



subscrever feeds

Quarta-feira, 7 de Julho de 2010

Ateu

 

Virei a Cruz de ponta-cabeça

Para ver se Jesus caía

Caía em si, e saía dessa

Antes que a liça feneça

 

A imagem pregada caiu

Derrubada pelo protestante

Que ante a Cruz restante

Pregado, de joelhos recaiu

 

Toda luta esvaiu

Nesse gesto submisso

E chamam eu de Anti-Cristo

Por não fazer parte disso

 

Nada mais é contra Deus

Do que rezar para o filho seu

Morto, salvar os teus

Conforto e Jubileu

 

Enquanto rezam os “fiéis”

Tementes de um castigo

Dementes aproveitam isso

Fariseus formam seus cartéis

 

Não é preciso morrer para colher

Algo bom em outra vida

Nem prometer a eterna servidão

Gastar o tempo todo em uma lida

Invalida nossa chance de ascensão

 

Se estamos vivos e podemos fazer

O dia novo, sem guerras e conflitos

Por que rezar e esperar que tudo isso

Aconteça junto aos mitos?

 

Se a ovelha fosse sã

Veria que só serve pra dar lã

 

Rogo logo salvo

Salvo-me para um amanhã

Amanhã, amanhã, amanhã...

Para um amanhã que nunca chega.

 

Os quatro cavaleiros do apocalipse já estão entre nós:

Preguiça, Ignorância, Submissão e Cobiça.

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 15:17
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags