André Braga

Outubro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Pesquise

 

Publicações

Sobre nossos ombros

1000 dias de regresso

O agro é

Futuro

Clara escuridão

Fome

Trambolho

Criacionismo

Jair e o pé de feijão

Sextou!

A invasão

A marcha dos valdevinos

A nova independência

O dia do golpe

#ForaBolsonaro

O agro é pop

Rega-bofe

Medidas

“Ô abre alas que eu quero...

o pulso ainda pulsa...

Tempos frios

Espelho meu

Frio

Expiação

Mitomania

Tropa laranja

um poema solto no espaço....

Copropolítico

Marcha do xilindró

Fecopolítico

Credo

Habeas porcos

Síndrome de Estocolmo

Necropolítica

Nas ruas

Já vai tarde

Estafeta do capeta

O homem sem qualidade

Dor nossa de cada dia

A alegoria como verdade

2022

Golpistas

Brasil à deriva

Marchinha do militar com ...

"Eggo"

A flor do jardim

Aquários

Cala boca já morreu

Corticoides

Bandeira preta

Confira também



subscrever feeds

Sábado, 3 de Abril de 2010

Navalha na carne

 

Minha carne navalhada

Cirurgicamente fatiada

Brilha vermelho vivo

Depois dos golpes

 

Bruta peca

Quando penetra

A rosa

 

Exposta

Dilacerada

Minha carne navalhada

Já não sangra mais como antes

 

O levante subcutâneo

Reformulou minha massa

Desnavalhou minha carne

Rejuntou meu ser

 

A navalha que atinge a maioria

Corta rente meu olho que

Sangra lágrimas raivosas e

Insiste, encarando olho no olho

 

A navalha que nunca cega

Do cirurgião de

594 cabeças

1.188 mãos

5.346 bolsos (sem contar cuecas e meias)

Tem que ser controlada

 

O corte

Precisa ser estancado

Urgente

Antes que o gigante

Morra

Hemorrágico

 

Clique no assunto: , , ,
Publicado por AB Poeta às 14:52
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags