André Braga

Junho 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Pesquise

 

Publicações

Comitiva desventura

Moral da história

Pelo fim da “sofrência”

Com a faca e o queijo nas...

O inevitável dragão que n...

João, o desavindo

O rei, o servo, o sonho

Burnout

Estaca zero

Vila Rica

Quinto dos infernos

O sacro de Ouro Preto

No compasso dos corações

Cegueira voluntária

Virando fumaça

Falta de Nação

Forças Mamadas

O mito da caserna

I did it my way…

São Paulos*

E o Oscar vai para

O pai tá on… onde?

Mamãe, falei...

Sobre o “vencedor”

Conflito

Sempre presente

Banco Nacional de Humanid...

Bichos escrotos

Laudêmio

A volta ao inverno russo

O bandido de patente

O relógio de areia

O presidente trans

O reservista

Uma estória triste de pes...

E ela se foi...

Vagabundo à beira mar

deus ex machina

Estatística de natal

Sobre a desigualdade soci...

só os ossos

...

Sobre a união

Merdonça no ventilador

Reino animal

Tauromaquia

É promoção, quem vai quer...

Ensejo

Até quando

Em praça pública

Confira também



subscrever feeds

Quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2010

Lançamento: Diálogos que ainda restam

 

Os diálogos que ainda restam


Por Eryck Magalhães


Ao debruçar-se sobre a história literária e estudar minuciosamente toda a sua trajetória, deparamo-nos com uma imensa gama de textos, temas e estilos. Diante disso, o impasse: Ainda restam diálogos? Ainda há o que contar? O poeta Fabiano Fernandes Garcez, através de seus belos versos, mostra que sim, e o faz com muita propriedade. Em seus “Diálogos que ainda restam”,poema a poema, o autor revela a capacidade que a poesia tem de se reinventar.


No poema “Diálogos”, o poeta aborda a banalização do uso das palavras, que por ora, parecem vazias em si mesmas: “Não sinto a profundidade / em todos os diálogos”. O bucolismo é outra vertente que também se faz presente, principalmente no belíssimo poema “Minha preferida” o qual nos remete aos poemas árcades. Porém, o eu-lírico, apesar de se mostrar saudosista, faz referência a seu tempo: “Ah! Colhe flores / Hoje ninguém mais faz isso / Colhe flores!”. A inquietude do homem contemporâneo consigo mesmo já é outra temática deste poeta multifacetado, e para abordá-la, o autor lança mão da intertextualidade nos poemas “Eu não sou eu” e “Sou nada”. Já no poema “Mulher”, a figura feminina é literalmente divinizada: “Para mim, Deus é mulher”. Entretanto, um erotismo que se mostra inocente permeia nos vãos dos versos: “de colo e seios fartos, para nos confortar”. Em uma série de poemas sobre “As Lembranças de Minha Avó”, o poeta faz sua reverência à importância que as mães de nossas mães tem em nossas vidas.


Sem mais delongas, que muitos outros diálogos ainda restem e que ecoem nos versos deste poeta.

 

 

Clique no assunto: , , , ,
Publicado por AB Poeta às 20:32
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags