André Braga

Maio 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Pesquise

 

Publicações

O rei, o servo, o sonho

Burnout

Estaca zero

Vila Rica

Quinto dos infernos

O sacro de Ouro Preto

No compasso dos corações

Cegueira voluntária

Virando fumaça

Falta de Nação

Forças Mamadas

O mito da caserna

I did it my way…

São Paulos*

E o Oscar vai para

O pai tá on… onde?

Mamãe, falei...

Sobre o “vencedor”

Conflito

Sempre presente

Banco Nacional de Humanid...

Bichos escrotos

Laudêmio

A volta ao inverno russo

O bandido de patente

O relógio de areia

O presidente trans

O reservista

Uma estória triste de pes...

E ela se foi...

Vagabundo à beira mar

deus ex machina

Estatística de natal

Sobre a desigualdade soci...

só os ossos

...

Sobre a união

Merdonça no ventilador

Reino animal

Tauromaquia

É promoção, quem vai quer...

Ensejo

Até quando

Em praça pública

Guilhotina

Perto do fogo

Fezes de cada dia

Passageiro

...

Armadilha

Confira também



subscrever feeds

Quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2010

Carrapato

 

Quanta tristeza...


Não avisaram à mamãe natureza
Que a primavera começa em setembro
O verão em dezembro
Em março o outono
Junho é o inverno


Mas que inferno!


Me causa aborrecimento
Falar de aquecimento
Um tormento
Na vida do homem moderno


Homem, que não aceita sua insignificância
Depois de combater-se em guerras
Desbravar, desmatar e asfaltar a terra
Depois de tantas descobertas
Logo agora! Querem frear a ganância?


Ora! Nossa ânsia
Rapina
É maior do que tudo
Parar às máquinas?
Extinguir o produto
Jamais!


O capitalismo está renascendo, voraz
Convencendo até os camaradas
Que lá, nas vermelhas moradas
Encantaram-se com as moedas douradas
(cédulas esverdeadas)


As grandes reuniões
Das decisões capitais
Já não adiantam mais


Os velhos figurões
Os mais hábeis dos animais
Perceberam que somos meros mortais


E antes que o cachorro chacoalhe
Suas pulgas, para longe demais
Vamos esquecer os “detalhes”
E ganhar mais e mais


Vamos produzir!
Fazer luzir nossa conta
Bancária, que desponta
Entre tantas capitais


Países pobres (emergentes)
Querem ser como a gente?
Primeiros no mundo
Então manufaturem as riquezas naturais


Vendam a boiada
Educar a manada?
Não há necessidade
Coloque-os na faculdade
Forme somente mão-de-obra
Isso vocês tem de sobra


A renda per capta
(dez para mim, pra você nada)
Vai crescer
O PIB alvorecer
E quando o fim da era amanhecer
Não vamos estar aqui para ver


Quem ficar para ver o final da história
E sobreviver
Que escreva-a nas pedras

 

Clique no assunto: , , ,
Publicado por AB Poeta às 13:03
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags