André Braga

Abril 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30

Pesquise

 

Publicações

Fecofilia

O fosso

Máximo X Mínimo

Cordialidade

Dívida histórica (ressurr...

O culto

Passando a sacolinha

Alô, câmbio

Mercado da fé

Haicais na lápide

Armada

O supremacista pardo

A verdade sobre a mentira...

Primeiro de abril

Herói servil

Estreitando relações

xou da xoxa

Neopentecostal no país do...

Fura-fila

Ensaio sobre a cegueira

Arrebatados

O pária

Diálogos desencontrados

Voto impresso

Sobre nossa política

Cancelamento

Bocaberta

Pragas

Carnacaserna

Fazendo a feira

Fartura

Ménage matinal

Gata borralheira

Bonito na foto

Adestrado II

Adestrado

Corpo incivil

Tomando no centrão

Homem ao mar II

Vacina brasileira

Homem ao mar

Intolerâncias

Como as ruas já diziam

Piada mundial

Impeachment já!

Feliz Natal

Doenças nossas de cada di...

Madrugar

O dia do Saci

Eterno halloween

Confira também




subscrever feeds

Quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2010

Carrapato

 

Quanta tristeza...


Não avisaram à mamãe natureza
Que a primavera começa em setembro
O verão em dezembro
Em março o outono
Junho é o inverno


Mas que inferno!


Me causa aborrecimento
Falar de aquecimento
Um tormento
Na vida do homem moderno


Homem, que não aceita sua insignificância
Depois de combater-se em guerras
Desbravar, desmatar e asfaltar a terra
Depois de tantas descobertas
Logo agora! Querem frear a ganância?


Ora! Nossa ânsia
Rapina
É maior do que tudo
Parar às máquinas?
Extinguir o produto
Jamais!


O capitalismo está renascendo, voraz
Convencendo até os camaradas
Que lá, nas vermelhas moradas
Encantaram-se com as moedas douradas
(cédulas esverdeadas)


As grandes reuniões
Das decisões capitais
Já não adiantam mais


Os velhos figurões
Os mais hábeis dos animais
Perceberam que somos meros mortais


E antes que o cachorro chacoalhe
Suas pulgas, para longe demais
Vamos esquecer os “detalhes”
E ganhar mais e mais


Vamos produzir!
Fazer luzir nossa conta
Bancária, que desponta
Entre tantas capitais


Países pobres (emergentes)
Querem ser como a gente?
Primeiros no mundo
Então manufaturem as riquezas naturais


Vendam a boiada
Educar a manada?
Não há necessidade
Coloque-os na faculdade
Forme somente mão-de-obra
Isso vocês tem de sobra


A renda per capta
(dez para mim, pra você nada)
Vai crescer
O PIB alvorecer
E quando o fim da era amanhecer
Não vamos estar aqui para ver


Quem ficar para ver o final da história
E sobreviver
Que escreva-a nas pedras

 

Clique no assunto: , , ,
Publicado por AB Poeta às 13:03
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags