André Braga

Fevereiro 2023

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

Pesquise

 

Publicações

A mão que nos desenha

Mr Ozzy

O talco anal do palhaço

A moral na marca da cal

Poemografia

As novidades de Ratanabá

Expectação

O patriotário

Quadrúpedes

06 DO 1

Amnésia voluntária

Já Air

Ao eterno rei Pelé

Callichirus major (crustá...

Só mais 72hs

Messitrocracia

Seleção Amarela

Marca passo

Nuvens, nuvens...

Cão perdido

A troça do mundo é nossa

Entre sonhos

Missão Marte

A economia no reino de Ra...

O cão do planalto

O reino de Ratanabá

"Marcha soldado, cabeça d...

02/11/2022

Acabou

Acabou

Carta aos (de)missionário...

A profecia

Palanque divino

Supernova

A casa da moeda da fé

Mais 4, pra que?

Fim de papo

Céu de outubro

A idolatria

Canção da despedida

A farda, um fardo

Xeque-mate

Bolsovírus

Bicentenário

Um sórdido arquétipo

E agora, João?

Delícia e dissabor

O evangelistão (bancada d...

Juventude transviada

O coração da história

Confira também



subscrever feeds

Domingo, 5 de Julho de 2009

Goelabaixo

Estava sentado em minha mesa de trabalho, praticando meu ofício, como na maioria dos dias. Canetas, papéis, sistemas, minhas leais ferramentas serviam-me fielmente. O quadro negro, com inscrições quase rupestres, diziam-me o que fazer; como num plano militar: vencer o oponente era nosso objetivo. Soldados agitavam-se. Corriam para todos os lados, armados de formulários. O ataque não pode parar. Um vem em minha direção – bom dia – bate em minhas costas e segue. Havia algo errado, os pelotões murmuravam e olhavam-me diferente. Aqueles sorrisos não me agradavam. Continuei entrincheirado atento, com as armas em punho.


Enquanto passava os olhos num memorando, algo me chamou a atenção. Levantei a cabeça para ver o que era e tive uma visão horrenda: uma massa esverdeada, de olhar negro e fixo, vinha babando voraz em minha direção. A papada dele inflava e desinflava cadenciadamente, o que deixava aquela coisa escrota e amorfa mais avolumada. Sua pele parecia gelatinosa, gosmenta, uma carcaça que aparentemente fedia. Fiquei apreensivo. Suas patas ergueram-se em minha direção. Arregalei os olhos de medo, recuei o corpo. Elas agarraram meu pescoço. Seu toque era frio e pastoso. Começou a apertar-me, o que deixou-me sem ar. Abri a boca desesperado, emitindo um ruído de engasgo. O que eu mais temia aconteceu: aquela nojeira inumana começou a entrar na minha boca. Seu gosto era horrível, uma mistura de lama e mofo, um negócio azedo. Numa atitude desesperada, agarrei os braços da cadeira, mas ela não esboçou nenhuma ajuda. Nesse momento pensei em minha casa, o que não adiantou em nada, a sensação sufocante não passava. Fiquei sem reação, esperando que o final daquela cena medonha chegasse logo. Suas patas traseiras batiam em meu rosto, querendo, numa tentativa forçada, descer por minha garganta abaixo. E conseguiu. Tentei vomitar, mas não obtive sucesso. Senti-me um lixo, não podendo fazer nada. Forçosamente engoli aquela merda. Aos poucos fui recuperando o fôlego, cuspi um resto de barro embolorado. O silêncio que se fez na sala durante meu estupro foi cortante. Agora ele está alojado em meu estomago, e não posso fazer nada. Esse troço nunca será digerido e dói-me saber disso. Não conseguirei expeli-lo nem junto com meus excrementos. Para sempre estarei com aquilo.


Triste, voltei minha atenção à tela do computador. Atendi a algumas exigências burocráticas que a máquina pedia, continuei meu trabalho. Já conformado com o inevitável, esbocei um sorriso. Deu a hora do almoço, levantei-me e, junto com meus companheiros, segui para o rancho. A vida tem dessas coisas.

 

Foto: Everton Balardin e Marcelo Zocchio

 

Esse conto será publicado nos Contos Selecionados de Novos Escritores Brasileiros "Além da Imaginação" - da Câmara Brasileira de Jovens Escritores. Clique e veja.

 

Clique no assunto: ,
Publicado por AB Poeta às 00:35
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags