André Braga

Fevereiro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28

Pesquise

 

Publicações

Cancelamento

Bocaberta

Pragas

Carnacaserna

Fazendo a feira

Fartura

Ménage matinal

Gata borralheira

Bonito na foto

Adestrado II

Adestrado

Corpo incivil

Tomando no centrão

Homem ao mar II

Vacina brasileira

Homem ao mar

Intolerâncias

Como as ruas já diziam

Piada mundial

Impeachment já!

Feliz Natal

Doenças nossas de cada di...

Madrugar

O dia do Saci

Eterno halloween

A fruta proibida

Constructo

O "astronada"

Oito vezes 10

Real indo pro buraco

O diamante da cidade

Para Florbela

Restos da quarentena

Seres do pântano

Curupira pirofágico

Do verde às cinzas

O amanhã a deus pertence

Churrasco

O general de pijama

A covid e o covil

Quando tudo passar

Filho da pátria

Infectados

Quiromania nossa de cada ...

Pasto Brasil II

Asas à burrice

Brincadeiras

Tiro curto

Pasto Brasil

O uso da máscara

Confira também




subscrever feeds

Terça-feira, 9 de Junho de 2009

O escritor de verdade

Quando ele entrou na sala de espera da agência de empregos Great People Of Talent, viu o enorme número de candidatos socialmente vestidos que aguardavam a hora de serem chamados. Acomodou-se do jeito que deu, num dos poucos lugares vagos. O entrevistador, especialista diplomado em Recursos Humanos, pós-graduado em Psicologia Empresarial, doutorado em Analise Comportamental e com MBA em Gestão de Pessoas, interfonou para secretária:

 

- Luzinete, Luzinete! Oh Luzinete! Manda logoentrá o próximo aí que tá chegando a hora dalmoço!


- Sim doutor.

 

A menina pegou um dos currículos que estava na pilha sobre a mesa e chamou.

 

- É... Paulo Capivara. – O rapaz gesticulou com a mão.


- O Sr veio para a vaga de Auxiliar de Comunicação Interna, né?


- Sim, isso mesmo.


- Ok, pode entrar que o Dr Pancrácio está aguardando.

 

Levantou-se, tropicou na ondulação do gasto carpete, ajeitou-se, seguiu em direção à sala de entrevistas. Quando entrou viu um senhor com óculos de armação marrom, gordo, com o papo cobrindo o nó da gasta gravata, várias guimbas no cinzeiro e uma placa de alumínio sobre a mesa que pré anunciava: Dr. Aristeu Pancrácio Teutônico III. Cumprimentou-o com um aperto de mão, lhe disse bom dia, sentou-se na cadeira há frente da mesa, ainda olhando os mais diversos diplomas, honrarias e fotos que estavam pregadas na parede. Segurando a ficha, o doutor iniciou a entrevista:

 

- É... Sr... Paulo Capivara. É você?


- Sim, sou eu.


- Que bom, que bom. Então... veio pra vaga de comunicador ajudante interno?


- Exato, é para ess....


- É... tô vendaqui... no seu curríclo, você... formadem Letras?


- É, isso mesmo, me forme...


- Certo, certo... mas tô vendaqui... sem experiência anterior... Você nunca teve emprego?

 

- Sou escritor, e faço alguns bicos de redator publici...


- Ah, é artista!


- Não, não, sou escritor e...


- Inscritor, artista... é a memá coisa. – anotou em vermelho na ficha:
“inscritor/livros inscritos=”


- Teressante, teressante. É... quantos livrus... você tem inscrito?


- Um publicado e...


- Um! – riscou a anotação anterior “livros inscritos=” e escreveu:
“um livro inscrito”.


- O Sr é artista... mas tem só um livru?


- É!? escrevei um, meu primei...


- Quantos cêêê vendeu?


- Não sei ao certo, acho que de 100 a 150 exemplares...


- Não sabe? Como assim?


- A editora informa meio por cima, e não tenho como controlar porq...


- Tabom, tabom... Inscreveu... mas ninguém leu... então o pau cumeu! – gargalhou estridente, retirou os óculos para enxugar as felizes lágrimas.


- É né... - O candidato sorriu amarelo com o canto da boca, por obrigação, sua vontade real era grampear a língua do decrépito no risque-rabisque e retirar com o extrator de grampos, de forma medieval, os olhos do desgraçado.


- Ai, ai... tabom, tabom... – o entrevistador se recompôs – é... então, Sr... Paulo Carneiro.


- Não é Carneiro, é Capivara.


- Capivara, carneiro, coelho, são tudo roedores mâmifreros. – Disse com um ar sábio. Paulo não esboçou reação alguma.


- Então... Sr... Paulo Capivara, inscreve... é artista... mas ninguém compra seus livru...


- Bem, vendi sim, mas não sei o número exato de...


- A sim, sim... vendeu, vendeu... é verdade... sua mãe, avó... sua tia.... muita gente deve te comprado. – Paulo olhou para um ponto qualquer da sala, soltando o ar pesado contido nos pulmões.


- Então... a vaga é pra auxiliar comunicativo interno, mas... pelo quivejaqui... é... vai ser difícil...
sem experiência anterior comprovada, é... a empresa talvez nunqué alguém nesse perfil.


- Bem, estou a disposição, e essa vaga me inte...


- É, mas é talvez né... e talvez nué um sim, mas também nué um não... quem sabe... vou faze assim: vou guarda seu curríclo aqui, e... qualquer novidade aviso, ok.

 

Sem paciência alguma, mas mantendo a pose de candidato interessado, cumprimentou o Dr Pancrácio, agradeceu a oportunidade como se fosse única e seguiu para mais uma agência de empregos.
O Dr, já faminto, guardou a ficha do Paulo na letra “q” da gaveta de pastas suspensas – artista... rãn. Logo após interfonou para a secretária.

 

- Luzinete, Luzinete! Oh, Luzinete! Manda mais um aí que ainda dá tempo.


- Sim doutor.

 

A menina apanhou outro currículo na pilha, chamou.

 

- É... Nelso Ramires – O rapaz levantou-se.


- O Sr veio para a vaga de Auxiliar de Comunicação Interna né?


- Isso, vim para essa vaga.


- Ok, pode entrar que o Dr Pancrácio está esperando.

 

O candidato entrou na sala, cumprimentou o doutor e sentou-se, dando início a entrevista.

 

- É... Nelson Ramires... é você?


- Sim, mas não é Nelson, é NelSO.


- Ok, ok... Nelso, Nelson… é parecido né. – deu um sorrisinho – então... NelSO, a vaga é pra ajudante de comunicação auxiliar interno e... você temteresse né?


- Claro! Estou aqui para...


- Tabom, tabom... preciso dalguém que sabe inscreve BEM... o Sr tem experiência anterior?


- Tenho. Tai na fich...


- É verdade, é verdade... – leu na ficha: Experiências anteriores:
Balconista de Farmácia, 2 anos – Escriturário, 3 anos - Escrivão de Polícia, 8 meses.


- Ah, taqui... taqui. Enscrivão! Purque saiu da polícia?


- Muito violento, não agüentava mais, escrevia muitas barbari...


- Tabom, tabom... a vaga é sua. Votincaminha pra empresa. Vi quitem muita bagagem, tanto lê quantu inscrevê, bom isso! Vai ali, vai ali... fala com a Luzinete... vai te fala o procedimento.

 

Feliz, saiu o agraciado com o emprego novo. Os ponteiros já cravados no doze indicavam o merecido descanso. O Dr Pancrácio guardou a ficha do Nelso na letra “z” do arquivo, recostou-se na enorme e almofadada poltrona, acendeu um cigarro e interfonou.

 

- Luzinete, Luzinete! Oh, Luzinete! Pede pra mim um bife à cubana e uma caracú queu tô faminto.


- Sim doutor, vou providenciar. – Desligou o interfone.

 

- Ah... até quenfim me apareceu um inscritor de verdade! – De olhos fechados, tragou o cigarro.

 

 

Publicado também no blog do João Luiz do Couto

 

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 20:46
Link do post | Comentar | ADD favoritos
12 comentários:
De Roberto a 9 de Junho de 2009 às 23:08
Muito bom André, quase chorei de rir!

Bacana mesmo, humor gostoso sem apelações!

Parabéns!

PS: Escritor de verdade? Só rindo mesmo, esses caras são engraçados!

Valeu!
De Fernando Carneiro a 10 de Junho de 2009 às 00:48
Boa, André.
Me diverti. Show!
De um escritor de verdade que lançou dois livros esquisitos que vendeu pra toda a família (que não leu) e mais alguns malucos que leram porque são malucos.
De AB Poeta a 10 de Junho de 2009 às 01:09
Pô Fernando, agora que reparei! Tem um momento que o doutor chama o candidato de Carneiro, acredite, foi involuntário. Foi mal... (mas foi engraçado)

abrçs
De Bruna Nehring a 10 de Junho de 2009 às 03:49
Shit! até para publicar um comentário é dificil e complicado. Agora vai me dizer que meu e-mail não existe? então vai aí o meu comentário para voce, Andre:

É por isso que a gente encontra tanta gente incompetente em todo lugar (lojas, empresas e afins). a culpa não
é deles, coitados, mas da incopetência de quem os colocou naquele lugar sem qualificação!. Pra rir? sim do teu texto, mas
pelo resto é pra chorar...

Bruna
De Tiago 'Capivara' a 25 de Junho de 2009 às 03:58
Aê Andrezão, muito bom mesmo o texto, faz muito sentido! Ultimamente tem se dado mais importância à quantidade do que à qualidade, então acabam contratando gente com muita bagagem, mas que essa bagagem tem muito peso morto. Quem perde com isso somos nós, aspirantes ao mercado...

Abraço!
De diniz jr a 23 de Novembro de 2009 às 13:28
achei bacacana , mostra bem as cosias que nós ( escritores / redatores ) passamos , por sinal tb tenho um livro publicado ( hehehe)

diniz junior

criador do rabuja rubirosa
De diniz júnior a 23 de Novembro de 2009 às 13:31
achei bacana , mostra bem as coisas que nós ( escritores / redatores ) passamos , por sinal tb tenho um livro publicado ( hehehe)

diniz junior

criador do rabuja rubirosa
De AB Poeta a 23 de Novembro de 2009 às 13:41
Complicado né cara, essa vida de redator/escritor... Escrever é algo muito difícil, um trabalho árduo que demanda tempo, e que ninguém valoriza como deveria...

Cômico se não fosse trágico!

Vlw pelo comentáro!

Abrçss
De André Diaz a 25 de Junho de 2014 às 16:44
Engraçado. Mas no fundo é triste a situação. Quem escreve , sabe como é.
De AB Poeta a 26 de Junho de 2014 às 00:59
rsrs cômico, se não fosse trágico... escrever é pra quem realmente gosta. como profissão, são poucos os abençoados que conseguem viver disso.

vlw, pelo comentário. abrçs
De Diogo Souza a 26 de Junho de 2014 às 02:08
Cara, esse texto é muito bom, ri demais. Mas confesso que sofri um pouco porque me fez lembrar uma entrevista de emprego que fiz há alguns meses e quando falei que escrevia (e num blog!), a reação da moça foi semelhante ao "Ah, é artista".
É a realidade desse país e dos nossos escritores.

Parabéns pelo texto.
De AB Poeta a 26 de Junho de 2014 às 22:33
rsrs cômico e cruel né cara...

vlw pelo comentário e boa sorte em futuras entrevistas!

abrçs

Comentar post

Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags