André Braga

Outubro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Pesquise

 

Publicações

Sobre nossos ombros

1000 dias de regresso

O agro é

Futuro

Clara escuridão

Fome

Trambolho

Criacionismo

Jair e o pé de feijão

Sextou!

A invasão

A marcha dos valdevinos

A nova independência

O dia do golpe

#ForaBolsonaro

O agro é pop

Rega-bofe

Medidas

“Ô abre alas que eu quero...

o pulso ainda pulsa...

Tempos frios

Espelho meu

Frio

Expiação

Mitomania

Tropa laranja

um poema solto no espaço....

Copropolítico

Marcha do xilindró

Fecopolítico

Credo

Habeas porcos

Síndrome de Estocolmo

Necropolítica

Nas ruas

Já vai tarde

Estafeta do capeta

O homem sem qualidade

Dor nossa de cada dia

A alegoria como verdade

2022

Golpistas

Brasil à deriva

Marchinha do militar com ...

"Eggo"

A flor do jardim

Aquários

Cala boca já morreu

Corticoides

Bandeira preta

Confira também



subscrever feeds

Quinta-feira, 4 de Junho de 2009

Os últimos cinco minutos de um condenado

Este texto foi fetio para fins acadêmicos. Nós: Ana Carolina, André Alves, Bia Peterman, Cinthia Pauli, Eliana Rodrigues, Leandro Altieri e Renado Eudes, conversamos sobre o ruma que a estória tomaria e a Ana se encarregou de escreve-lo.

 

Segue texto:

 

Os útimos cinco minutos de um condenado

 

Fazia frio. Dia cinzento. Uma sensação horrível me abateu naquela hora. Os guardas vindo em direção a minha cela, como se nada tivesse para acontecer; aliás, para eles nada iria acontecer e nem mudar, era apenas mais um.

Estou caminhando pelo corredor, nunca pensei que chegaria esse momento, morrer dessa forma, sei que sou culpado. Mas se tivesse outra chance, não teria matado minha esposa e seu amante de uma forma tão cruel. Deveria apenas ter batido, sei lá, ou falado um monte de coisas que agora me vem em mente. Deveria ter deixado os dois irem embora, mas não, o ódio tomou conta de mim, foi muito mais forte do que eu.

 

Eu poderia estar livre vivendo com alguém, com meus filhos... e ela vivendo a vida dela. Sinto muito ter deixado essa visão de pai para eles.

Agora não há mais tempo, já chegou a hora, todos me olham de uma forma como nunca imaginei que um dia iriam me olhar: com ódio, com nojo e contando os últimos minutos para minha execução.

 

Nossa! Estão me amarrando a cadeira, já sinto o suor escorrer pelas costas. Só me arrependo pelos meus filhos, Luana e Felipe...  

 

Pra ver:

 

Os últimos passos de um homem (Dead man walking - EUA 1995) Direção: Tim Robbins

 

Clique no assunto: ,
Publicado por AB Poeta às 17:51
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags