André Braga

Fevereiro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28

Pesquise

 

Publicações

Cancelamento

Bocaberta

Pragas

Carnacaserna

Fazendo a feira

Fartura

Ménage matinal

Gata borralheira

Bonito na foto

Adestrado II

Adestrado

Corpo incivil

Tomando no centrão

Homem ao mar II

Vacina brasileira

Homem ao mar

Intolerâncias

Como as ruas já diziam

Piada mundial

Impeachment já!

Feliz Natal

Doenças nossas de cada di...

Madrugar

O dia do Saci

Eterno halloween

A fruta proibida

Constructo

O "astronada"

Oito vezes 10

Real indo pro buraco

O diamante da cidade

Para Florbela

Restos da quarentena

Seres do pântano

Curupira pirofágico

Do verde às cinzas

O amanhã a deus pertence

Churrasco

O general de pijama

A covid e o covil

Quando tudo passar

Filho da pátria

Infectados

Quiromania nossa de cada ...

Pasto Brasil II

Asas à burrice

Brincadeiras

Tiro curto

Pasto Brasil

O uso da máscara

Confira também




subscrever feeds

Quarta-feira, 22 de Abril de 2009

Feliz aniversário

Mais um aniversário. Hoje o gigante pela própria natureza, a pátria amada Brasil, faz 509 anos de existência. Graças ao fidalgo Pedro Álvares Cabral que, com suas dez naus e três caravelas (e mais de 1.500 homens), desembarcou por aqui, precisamente em Porto Seguro na Bahia, no começo do século XVI, graças a esse feito, hoje fazemos parte dessa atual concepção de mundo. Segundo conta a história, depois da não tão bem sucedida viajem de Vasco da Gama por mares revoltos, Cabral foi solicitado pelo Rei Dom Manuel I para comandar o que seria uma das maiores frotas já reunidas, a fim de encontrar o sonhado caminho para as Índias. Bem, é mais do que notório que o luso capitão não encontrou porra de caminho pra Índia nenhuma, mas em compensação encontrou uma terra habitada por pacíficos nativos que tinham suas vergonhas desnudas, e um solo fertilíssimo, onde tudo que se planta dá.


Fico imaginando como foi esse primeiro contato. Os portugueses ancorando os barcos a uma certa distância da praia, uma porção de nativos pelados em terra firme olhando e imaginando uma porção de coisas, tipo, quem são, donde vem... E o primeiro dialogo trocado, imagem só como não deve ter sido, gestos e mais gestos misturados a recíprocos grunhidos inteligíveis. Uma coisa trágica desse primeiro encontro, e que muitos dos livros de história, principalmente os de primeiro e segundo grau, não retratam, é o número de nativos que morreram só por entrar em contato com os cansados, barbudos, cabeludos, vestidos dos pés a cabeça, e, principalmente, famintos e imundos viajantes portugueses. Os corpos esguios dos habitantes locais, bem tratados, acostumados a uma alimentação saudável e uma vida de, quase, contemplação total a natureza, não suportaram o gigantesco número de vírus e bactérias trazidas encubadas da Europa. Resultado: estimasse que milhares de nativos morreram das mais variadas doenças após os primeiros contatos com o homem branco europeu. Falar em números exatos fica difícil, já que esse tipo de informação ficou perdida no tempo. E como quem registrou toda a história foi o branco da Europa, é mais do que normal que hoje não se saiba o tamanho da catástrofe. Sabe as caries que você hoje tem na boca? Pura herança.


O nosso primeiro nome foi Ilha de Vera Cruz, citado na primeira carta enviada para o Rei, redigida por Pero Vaz de Caminha. Nosso segundo nome foi Terra de Santa Cruz. Recebemos esse nome para demonstrar o interesse que Portugal tinha em propagar a fé cristã pelo novo mundo. No dia vinte e seis de abril desse mesmo ano, o frade Henrique de Coimbra realizou a primeira missa na nova terra. A partir desse dia deixamos de ser pagãos, os nativos que vivam em pecado (e nem faziam idéia do que era isso) agora estavam amparados pela igreja, tornaram-se filhos de Deus, dando-se assim o começo da hegemonia religiosa católica no hemisfério sul e o início do divino massacre étnico. Linguagem, costumes, danças, religião, cultura, talvez algum tipo de escrita, tudo simplesmente, ao longo dos séculos, desapareceu. Hoje, dos índios, fora a meia dúzia que ainda resiste ao tempo e ao dito progresso (amparados pelo obscuro INCRA) só sobraram nomes de logradouros.


O Brasil ficou muito conhecido pelo lucrativo comercio de escravos. Os portugueses e os holandeses dominavam o tráfico de escravos negros vindos do continente africano. Nativos, europeus, negros misturaram seus gametas gerando os cafuzos, mamelucos, mulatos... Começou assim a formação do povo brasileiro.


Sempre se diz que o Brasil é um país novo. Muitos rebatem essa idéia retrucando que não, já temos mais de quinhentos anos, e isso não é pouco tempo de existência para se dizer que somos um país novo. Mas até que concordo com essa idéia de “país novo”. Se pensarmos da seguinte maneira: desde que fomos “descobertos”, fomos usados apenas para a extração de riquezas e recursos. Até o ano de nossa independência (1889) éramos apenas mais uma colônia de exploração portuguesa. Após a proclamação da república, ai sim, viramos um país, um país independente... é, pelo menos no papel.


Nesses cento e vinte anos de história tivemos várias revoluções, ditaduras, conflitos, governos provisórios, estado novo, república nova, trinta e cinco presidentes, um processo de impeachment... não vou me estender pela história de nossa república, já ha centenas de sites sobre esse assunto e meu propósito aqui não é esse.

 

OBS: Texto ainda não finalizado.
 

Clique no assunto: ,
Publicado por AB Poeta às 21:50
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags