André Braga

Fevereiro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28

Pesquise

 

Publicações

Cancelamento

Bocaberta

Pragas

Carnacaserna

Fazendo a feira

Fartura

Ménage matinal

Gata borralheira

Bonito na foto

Adestrado II

Adestrado

Corpo incivil

Tomando no centrão

Homem ao mar II

Vacina brasileira

Homem ao mar

Intolerâncias

Como as ruas já diziam

Piada mundial

Impeachment já!

Feliz Natal

Doenças nossas de cada di...

Madrugar

O dia do Saci

Eterno halloween

A fruta proibida

Constructo

O "astronada"

Oito vezes 10

Real indo pro buraco

O diamante da cidade

Para Florbela

Restos da quarentena

Seres do pântano

Curupira pirofágico

Do verde às cinzas

O amanhã a deus pertence

Churrasco

O general de pijama

A covid e o covil

Quando tudo passar

Filho da pátria

Infectados

Quiromania nossa de cada ...

Pasto Brasil II

Asas à burrice

Brincadeiras

Tiro curto

Pasto Brasil

O uso da máscara

Confira também




subscrever feeds

Quarta-feira, 22 de Abril de 2009

Vitória - Parte I

Esta é minha primeira tentativa de escrever um texto que tenha por finalidade ser um conto. Este é o começo, vamos ver onde esta estória vai parar.

 

Vitória

 

Flores. Vitória adorava o cheiro, a pele aveludada, das flores. Ficava imaginando o destino que cada uma poderia seguir. Todas as vezes que um bouquet era vendido, sua imaginação fluía junto à viagem, sonhando, fantasiando o destino amoroso que poderiam ter. Vermelhas, alvas, amarelas, rosas, margaridas, girasois, copos de leite... Tudo era colorido mágico, delicado e bálsamo ao seu redor. O último vendido fora um de belo rubro, volumoso, que o rapaz fez questão que, junto ao enorme ramalhete, seguisse um poético e perfumado suave cartão (tanto quanto, ou até mais que as flores). E não era papel desses prontos, desleixados vendidos amontoados em prateleiras, com estampa de bicho, esse era escrito á mão, letra caprichosa, amor grifado, ressaltando o sentimento, emoção descrita em prosa – nossa, esse está apaixonado, ela vai adorar receber-lo, vou caprichar, quero ajuda-los, vê-los enamorados desejosos – pensou Vitória, que, sempre que era possível, lia os cupidos cartões.


Vitória era menina nova. Iniciou a adolescência já trabalhando, na floricultura da família. Saia do matinal colégio e ia direto, de uniforme e tudo, para o prazeroso trabalho. Adorava passar o resto do dia lá. A mãe, viúva, às vezes lhe fazia companhia. O negócio dela era cuidar das contas, deixava os cuidados, os caprichos da loja, para a prestativa filha.


No colégio teve os primeiros contatos com os livros. Romances, ficções, poesias... Vitória adorava as poesias, lia-as, reli-as... Em sua mão caíra o Sobre o Tempo e a Eternidade, do escritor Rubem Alves. Devorou-o. Depois de lê-lo, escreveu em seu caderno um pequenino e majestoso trecho que a encantou - para o meu desejo, o mar é uma gota – essa frase traduzia seu intimo – tenho que escreve-la em algum cartão, e vai ser no próximo vendido – e o que era simples desejo, logo se fez. Escrevia as frases nos cartões, sem ninguém saber, pois se imaginava como as borboletas e as rosas: vendo que as belas e enraizadas flores pouco se tocam, pois a leve brisa quando não sopra, o breve instante toque não acontece, então numa atitude instintiva de complacente amor, num heróico vôo a borboleta vai, boca orvalhada, beijando-as, uma-a-uma, espalhando o fecundo pólen, garantido a multiplicação, perpetuando a futura existência. Vitória nasceu apaixonada. Acredita que amar é a única razão de ser do ser.

 

Parte II - Carta de Vitória à Carlos

Clique no assunto:
Publicado por AB Poeta às 14:32
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags