Minhas poesias.

Junho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Pesquise

 

Publicações

A peste

O “trezentismo”

Amor nos tempos de corona...

Aos que abanam o rabo

É frias

Embate chucro

Fim de namoro

O grande mentecapto

Sacro cheio

A nova política

Bandeirolas

Próxima cena

O churrasco

João, o fanfarrão

Regina, let's pum

O pelotão caterva

Epitáfio

O pobre brasileiro

A costureira

E daí?

É bolsodória!

Labirinto

O capitão chupeta

A canetada saiu pela cula...

Aleluia no país do carnav...

Fanáticos FC

A verdadeira história de ...

Amor nos tempos de corona...

Quarentena

Da natureza

Flatulência mental

Do amor que er[r]a

Canção do Exausto

Mineral

Joker

Torcedores FC

O alcoólatra

Animais e refeições

Remoenda

Joinha

A riqueza amazônica

Astros ilícitos

Estrela submersa

Triturados

Manhãs bragantinas

A gaiola

Aquífero paulistano II

O laranjal

Black Friday

Aquífero paulistano

Confira também




Todas as publicações

subscrever feeds

Sábado, 24 de Janeiro de 2009

Vale Tudo

“Tudo é tudo e nada é nada”
Sebastião Rodrigues Maia – Filosofia Tim


Nascido em 1942 no Rio de Janeiro, Sebastião Rodrigues Maia, mais conhecido como Tim Maia, teve toda sua trajetória artística e pessoal contada na biografia Vale Tudo (Ed. Objetiva 2007) escrita pelo produtor musical, jornalista e amigo pessoal Nelson Motta.


Criado no bairro da Tijuca, o autor conta como foi a infância do menino entregador de marmita, a amizade com Erasmo Carlos, os primeiros contatos com a música, na adolescência, e a formação do primeiro grupo, que se deu na Igreja dos Capuchinhos, e que integrou como baterista, os Tijucanos do Ritmo. Nos anos em que morou em Tarrytown (EUA), Tim teve contato com o estilo musical que o marcaria como sendo a sua característica principal: a soul music. No retorno (deportado) ao Brasil, gravou em dueto com Elis Regina These Are The Songs, em 1969. Gravou seu primeiro disco, intitulado Tim Maia, em 1970.


No ano de 75 teve contato com a Cultura Racional (Racional Superior), lançando dois discos únicos na música brasileira, e venerados por fãs e músicos, Tim Maia Racional Vol. I e II. Quando descobriu que toda a ideologia Racional não passava de marmelada, Tim mandou recolher todos os discos que estavam nas lojas, fazendo desse um álbum raríssimo, e considerado por muitos os melhores (musicalmente) de sua carreira.


Nas décadas posteriores, sucessos como Me dê Motivo e Do Leme ao Pontal, fizeram-no um dos mais queridos pela opinião pública, dentre os artistas nacionais. Paralamas do Sucesso, Marisa Monte, Lulu Santos e vários outros regravaram suas músicas, emplacando-as nas paradas de sucessos.


Brigas com gravadoras, músicos, emissoras de TV, empresários, visinhos, problemas com a justiça, de saúde, com drogas, amores mal resolvidos, não tiraram o brilho e a força de sua música e nem de sua pessoa. Autodefinido como: “preto, gordo e cafajeste, formado em cornologia, sofrência e deficiências capilares”, Tim Maia ainda é pai, filho e espírito santo da soul music verde-amarela. Para Tim valeu viver tudo exageradamente  de forma intensa e excessiva. Só não valeu foi dançar homem com homem, já mulher com mulher...

 

"Este país não pode dar certo. Aqui prostituta se apaixona, cafetão tem ciúme, traficante se vicia e pobre é de direita"

Tim Maia

 

 

MOTTA, Nelson. Vale Tudo. O som e a fúria de Tim maia. Rio de Janeiro. Objetiva. 2007.

 

Para ouvir: TIMP3

 

Clique no assunto: ,
Publicado por AB Poeta às 20:53
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Clique no assunto

todas as tags