André Braga

Novembro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30

Pesquise

 

Publicações

Tauromaquia

É promoção, quem vai quer...

Ensejo

Até quando

Em praça pública

Guilhotina

Perto do fogo

Fezes de cada dia

Passageiro

...

Armadilha

Caiu na rede

Entre urubus

Anjo alado

Ao mestre com carinho

Vacinados

Entre mundos

Fratura exposta

Sobre nossos ombros

1000 dias de regresso

O agro é

Futuro

Clara escuridão

Fome

Trambolho

Criacionismo

Jair e o pé de feijão

Sextou!

A invasão

A marcha dos valdevinos

A nova independência

O dia do golpe

#ForaBolsonaro

O agro é pop

Rega-bofe

Medidas

“Ô abre alas que eu quero...

o pulso ainda pulsa...

Tempos frios

Espelho meu

Frio

Expiação

Mitomania

Tropa laranja

um poema solto no espaço....

Copropolítico

Marcha do xilindró

Fecopolítico

Credo

Habeas porcos

Confira também



subscrever feeds

Terça-feira, 2 de Dezembro de 2008

Funk do Picolé

Depois de aventurar-me na composição de algumas marchinhas de carnaval, um outro ritmo que despertou-me interesse em, tentar mais uma vez, compor algo, foi o Funk carioca. Acredito que todas as pessoas que habitam a terra brasilis, pelo menos uma vez, de maneira voluntária ou não, ouviram um Funk, desses bem linguisticamente “elaborados”, e que, depois de uma vez ouvido, nunca mais sai da sua cabeça (chamo isso de chiclé-music). O que impressiona nessas composições, ta certo que algumas são muito escrachadas, mas, mesmo assim, repare como as letras são extremamente simples. Você deve estar falando - “porra, esse cara ta postando merda” - mas então, é o seguinte, tenta você compor um Funk! Cara, é incrível, é muito difícil fazer algo tão simples! Na tentativa de fazer algo “simples”, compus este:


Funk do picolé
Letra: MC Fat (André Al)

Fui pra praia no verão
Comprei um picolé
Na barraca do alemão
Que é lotada de mulher

 

Cheguei numa gatinha
Chamei para um rolé
Com toda educação
Ofereci meu picolé

 

Ela ficou vermelha
E respondeu dengosa
- Chupar seu picolé? Só se for agora!

 

Então - chupa vai, chupa vai, chupa vai, chupa, chupa!
Então - chupa vai, chupa vai, chupa vai, chupa, chupa!

 

Ela chupou todinho
Que gulosa que ela é
Só sobrou o palitinho
Do meu picolé

 

Ela queria outro
- Qual sabor que você quer?
De baunilha ou chocolate?
- Me traz o que tiver!

 

Na do alemão já era
Fui buscar na do José
Porque o que interessa a ela
É chupar o picolé

 

Então - chupa vai, chupa vai, chupa vai, chupa, chupa!
Então - chupa vai, chupa vai, chupa vai, chupa, chupa!

Clique no assunto:
Publicado por AB Poeta às 01:01
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags