Minhas poesias.

Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
18
19
21
22
23
26
27
28
29
30
31

Pesquise

 

Publicações

Aos que abanam o rabo

É frias

Embate chucro

Fim de namoro

O grande mentecapto

Sacro cheio

A nova política

Bandeirolas

Próxima cena

O churrasco

João, o fanfarrão

Regina, let's pum

O pelotão caterva

Epitáfio

O pobre brasileiro

A costureira

E daí?

É bolsodória!

Labirinto

O capitão chupeta

A canetada saiu pela cula...

Aleluia no país do carnav...

Fanáticos FC

A verdadeira história de ...

Amor nos tempos de corona...

Quarentena

Da natureza

Flatulência mental

Do amor que er[r]a

Canção do Exausto

Mineral

Joker

Torcedores FC

O alcoólatra

Animais e refeições

Remoenda

Joinha

A riqueza amazônica

Astros ilícitos

Estrela submersa

Triturados

Manhãs bragantinas

A gaiola

Aquífero paulistano II

O laranjal

Black Friday

Aquífero paulistano

Embate público

Efêmeros

O mortiço

Confira também




Todas as publicações

subscrever feeds

Terça-feira, 2 de Dezembro de 2008

Funk do Picolé

Depois de aventurar-me na composição de algumas marchinhas de carnaval, um outro ritmo que despertou-me interesse em, tentar mais uma vez, compor algo, foi o Funk carioca. Acredito que todas as pessoas que habitam a terra brasilis, pelo menos uma vez, de maneira voluntária ou não, ouviram um Funk, desses bem linguisticamente “elaborados”, e que, depois de uma vez ouvido, nunca mais sai da sua cabeça (chamo isso de chiclé-music). O que impressiona nessas composições, ta certo que algumas são muito escrachadas, mas, mesmo assim, repare como as letras são extremamente simples. Você deve estar falando - “porra, esse cara ta postando merda” - mas então, é o seguinte, tenta você compor um Funk! Cara, é incrível, é muito difícil fazer algo tão simples! Na tentativa de fazer algo “simples”, compus este:


Funk do picolé
Letra: MC Fat (André Al)

Fui pra praia no verão
Comprei um picolé
Na barraca do alemão
Que é lotada de mulher

 

Cheguei numa gatinha
Chamei para um rolé
Com toda educação
Ofereci meu picolé

 

Ela ficou vermelha
E respondeu dengosa
- Chupar seu picolé? Só se for agora!

 

Então - chupa vai, chupa vai, chupa vai, chupa, chupa!
Então - chupa vai, chupa vai, chupa vai, chupa, chupa!

 

Ela chupou todinho
Que gulosa que ela é
Só sobrou o palitinho
Do meu picolé

 

Ela queria outro
- Qual sabor que você quer?
De baunilha ou chocolate?
- Me traz o que tiver!

 

Na do alemão já era
Fui buscar na do José
Porque o que interessa a ela
É chupar o picolé

 

Então - chupa vai, chupa vai, chupa vai, chupa, chupa!
Então - chupa vai, chupa vai, chupa vai, chupa, chupa!

Clique no assunto:
Publicado por AB Poeta às 01:01
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Clique no assunto

todas as tags