André Braga

Abril 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Pesquise

 

Publicações

Dívida histórica (ressurr...

O culto

Passando a sacolinha

Alô, câmbio

Mercado da fé

Haicais na lápide

Armada

O supremacista pardo

A verdade sobre a mentira...

Primeiro de abril

Herói servil

Estreitando relações

xou da xoxa

Neopentecostal no país do...

Fura-fila

Ensaio sobre a cegueira

Arrebatados

O pária

Diálogos desencontrados

Voto impresso

Sobre nossa política

Cancelamento

Bocaberta

Pragas

Carnacaserna

Fazendo a feira

Fartura

Ménage matinal

Gata borralheira

Bonito na foto

Adestrado II

Adestrado

Corpo incivil

Tomando no centrão

Homem ao mar II

Vacina brasileira

Homem ao mar

Intolerâncias

Como as ruas já diziam

Piada mundial

Impeachment já!

Feliz Natal

Doenças nossas de cada di...

Madrugar

O dia do Saci

Eterno halloween

A fruta proibida

Constructo

O "astronada"

Oito vezes 10

Confira também




subscrever feeds

Terça-feira, 8 de Fevereiro de 2011

Migalhas

 

Horizonte nos olhos

Mar aos ouvidos

Nos lábios, o doce

mas na verdade a janela está vazia.

 

Um corpo que quer

(de)caído

Junto às sobras

Que o tempo junta

Guarda

E aguarda

Que voem

Num sopro que nunca acontece.

 

Anjo lixo que não voa

Porque tem assas de algodão hospitalar

E a mangueira do soro

Intravenosa

É curta

Tão curta quanto à vida.

 

Entre migalhas

O silêncio corre

E a garganta morta

Vela a inspiração

Que dorme o sono dos abençoados.

Clique no assunto: ,
Publicado por AB Poeta às 14:25
Link do post | Comentar | ADD favoritos
6 comentários:
De Nina a 8 de Fevereiro de 2011 às 17:53
Janela vazia, quadro sem moldura, cena sem objeto, monólogos...
É bonito, mas é triste...
A memória poética me salva...
De AB Poeta a 8 de Fevereiro de 2011 às 19:53
a tristesa é poética, mas a alegria é, no máximo, bonita...

a melancolia é a gasolina da poesia! rs rs

Bjos
De Nina a 9 de Fevereiro de 2011 às 07:32
Também sempre achei que a melancolia fosse o tal combustível... Mas acabei descobrindo que a poesia é "total flex"... Ela bebe de tudo...
De AB Poeta a 9 de Fevereiro de 2011 às 12:05
rsrs é verdade, mas sempre tendemos a utilizar mais um combustível mais que outro. rs

bj
De Francisco Jamess a 16 de Fevereiro de 2011 às 12:49
Vou ser bem sincero com você: eu raramente gosto de poesia que os outros escrevem (e ultimamente nem tenho escrito muitas, porque sem inspiração, prefiro não escrever versos). O motivo pelo qual eu não gosto, é porque quando eu começo a ler me dá vontade de parar, porque ou é incompreensível, ou é extremamente mal-escrita e clichê.

Agora, antes que você se assuste, a sua é uma das que eu gosto. É simples, lacônica, fala tudo que tem pra falar sem rodeios e palavras difícies. Eu adoro ler poesia assim. Não existe melhor. Enquanto você escrever sem querer parecer um Camões da vida, você vai escrever bem (como eu percebi nesses seus poemas).

Abraço
De AB Poeta a 16 de Fevereiro de 2011 às 13:53
olha cara, eu também "sofro" desse problema! rs rs rs

Prefiro ser direto, mas sem perder a poética! rs rs

Vlw pelo comentário!


Abrçs

Comentar post

Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags