André Braga

Outubro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Pesquise

 

Publicações

Sobre nossos ombros

1000 dias de regresso

O agro é

Futuro

Clara escuridão

Fome

Trambolho

Criacionismo

Jair e o pé de feijão

Sextou!

A invasão

A marcha dos valdevinos

A nova independência

O dia do golpe

#ForaBolsonaro

O agro é pop

Rega-bofe

Medidas

“Ô abre alas que eu quero...

o pulso ainda pulsa...

Tempos frios

Espelho meu

Frio

Expiação

Mitomania

Tropa laranja

um poema solto no espaço....

Copropolítico

Marcha do xilindró

Fecopolítico

Credo

Habeas porcos

Síndrome de Estocolmo

Necropolítica

Nas ruas

Já vai tarde

Estafeta do capeta

O homem sem qualidade

Dor nossa de cada dia

A alegoria como verdade

2022

Golpistas

Brasil à deriva

Marchinha do militar com ...

"Eggo"

A flor do jardim

Aquários

Cala boca já morreu

Corticoides

Bandeira preta

Confira também



subscrever feeds

Domingo, 9 de Novembro de 2008

Estigma - Erving Goffman

“Tenho 16 anos e não sei como agir... Acostumei com os meninos do quarteirão que caçoavam de mim... Gostaria de ter namorados... Mas nenhum rapaz sairá comigo porque nasci sem nariz... Minha mãe chora quando olha para mim... Meu pai diz que talvez esteja sendo punida pelos pecados dele... Devo me suicidar?” (Trecho do livro Miss Lonelyhearts, de Nathanael West)


Apesar da carta acima fazer parte de um romance, uma ficção, ela poderia ter sido escrita por qualquer adolescente que tenha alguma deficiência física, uma estigma.


Erving Goffman (1922-82) faz um ensaio sobre todos os aspectos sociais que a estigma pode atingir; da forma como a sociedade influencia no comportamento do estigmatizado, levando-o a perda da identidade pessoal e ao comportamento destrutivo e anti-social.


O termo “estigma” foi criado na Grécia antiga para identificar, de maneira visual, com marcas feitas com fogo ou cortes no corpo, os escravos, criminosos ou traidores. Na Era Cristã foram acrescentados mais dois níveis de metáforas: sinais corporais de graça divina e sinais corporais de distúrbio físico. Hoje o termo está mais próximo ao sentido original, só que mais ligado à desgraça do que a evidências corporais.


Com a sociedade estabelecendo formas de categorizar as pessoas, criando modelos a serem seguidos, o individuo estigmatizado é deixado, cada vez mais, a margem social; bêbados, malandros, prostitutas, artistas, homossexuais, egressos, deficientes, mendigos, menores... O livro abre uma discussão muito importante: quem verdadeiramente é o marginal? O estigmatizado, que sofre o preconceito da sociedade, ou será ela mesma?

 

 

 

GOFFMAN, Erving. Estigma. Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. LTC Editora. 4º Edição. Rio de Janeiro.

 

Baixe para ler: Estigma - Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada.

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 23:36
Link do post | Comentar | ADD favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags