André Braga

Janeiro 2023

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30
31

Pesquise

 

Publicações

A moral na marca da cal

Poemografia

As novidades de Ratanabá

Expectação

O patriotário

Quadrúpedes

06 DO 1

Amnésia voluntária

Já Air

Ao eterno rei Pelé

Callichirus major (crustá...

Só mais 72hs

Messitrocracia

Seleção Amarela

Marca passo

Nuvens, nuvens...

Cão perdido

A troça do mundo é nossa

Entre sonhos

Missão Marte

A economia no reino de Ra...

O cão do planalto

O reino de Ratanabá

"Marcha soldado, cabeça d...

02/11/2022

Acabou

Acabou

Carta aos (de)missionário...

A profecia

Palanque divino

Supernova

A casa da moeda da fé

Mais 4, pra que?

Fim de papo

Céu de outubro

A idolatria

Canção da despedida

A farda, um fardo

Xeque-mate

Bolsovírus

Bicentenário

Um sórdido arquétipo

E agora, João?

Delícia e dissabor

O evangelistão (bancada d...

Juventude transviada

O coração da história

Uma mera etiqueta

Sobre a humanidade

Aquele brilho

Confira também



subscrever feeds

Domingo, 26 de Dezembro de 2010

Noites

 

Em minhas noites de nada

Arregalo os olhos na escuridão

Para olhar em paz

Não enxergando objetos que me lembram coisas

Que não tenho mais próximas

 

Meio ao álcool, à solidão e demônios

Durmo um sono que não é meu

É só do corpo

Sentindo-me velado por olhares imaginários

Carpideiras ácidas que choram o lixo do homem e me beijam sorrindo

 

Os pregos da minha cama de pregos

Já não têm mais pontas

Rolei tanto sobre elas que gastaram

 

Sinto falta das ranhuras que me faziam no âmago

Sentia dó de mim quando via meu sangue

Gotejado pelo lençol

Pelo chão frio

Em restos de roupas que nem uso mais

E essa dó me fazia parecer humano

 

A noite é algo que existe em mim

Porque mesmo de dia ela me aparece.

 

Em silêncio

Na noite

Eu bicho estranho e selvagem

Luto contra o nada

Um nada gigantesco que carrego

Que parece que vai me esmagar

Mas que venço sempre

Pois só isto a fazer:

Lutar

Vencer

Viver.

 

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 15:12
Link do post | Comentar | ADD favoritos
2 comentários:
De Nina a 27 de Dezembro de 2010 às 21:17
Bichos estranhos, selvagens e cheios de ranhuras... Somos assim, não é? Os animais se reconhecem pelo cheiro.
[isso foi um elogio...]
De AB Poeta a 27 de Dezembro de 2010 às 21:34
sim, o cheiro denuncia nossas intenções!

Comentar post

Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags