André Braga

Outubro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Pesquise

 

Publicações

Sobre nossos ombros

1000 dias de regresso

O agro é

Futuro

Clara escuridão

Fome

Trambolho

Criacionismo

Jair e o pé de feijão

Sextou!

A invasão

A marcha dos valdevinos

A nova independência

O dia do golpe

#ForaBolsonaro

O agro é pop

Rega-bofe

Medidas

“Ô abre alas que eu quero...

o pulso ainda pulsa...

Tempos frios

Espelho meu

Frio

Expiação

Mitomania

Tropa laranja

um poema solto no espaço....

Copropolítico

Marcha do xilindró

Fecopolítico

Credo

Habeas porcos

Síndrome de Estocolmo

Necropolítica

Nas ruas

Já vai tarde

Estafeta do capeta

O homem sem qualidade

Dor nossa de cada dia

A alegoria como verdade

2022

Golpistas

Brasil à deriva

Marchinha do militar com ...

"Eggo"

A flor do jardim

Aquários

Cala boca já morreu

Corticoides

Bandeira preta

Confira também



subscrever feeds

Domingo, 26 de Dezembro de 2010

Noites

 

Em minhas noites de nada

Arregalo os olhos na escuridão

Para olhar em paz

Não enxergando objetos que me lembram coisas

Que não tenho mais próximas

 

Meio ao álcool, à solidão e demônios

Durmo um sono que não é meu

É só do corpo

Sentindo-me velado por olhares imaginários

Carpideiras ácidas que choram o lixo do homem e me beijam sorrindo

 

Os pregos da minha cama de pregos

Já não têm mais pontas

Rolei tanto sobre elas que gastaram

 

Sinto falta das ranhuras que me faziam no âmago

Sentia dó de mim quando via meu sangue

Gotejado pelo lençol

Pelo chão frio

Em restos de roupas que nem uso mais

E essa dó me fazia parecer humano

 

A noite é algo que existe em mim

Porque mesmo de dia ela me aparece.

 

Em silêncio

Na noite

Eu bicho estranho e selvagem

Luto contra o nada

Um nada gigantesco que carrego

Que parece que vai me esmagar

Mas que venço sempre

Pois só isto a fazer:

Lutar

Vencer

Viver.

 

Clique no assunto: , ,
Publicado por AB Poeta às 15:12
Link do post | Comentar | ADD favoritos
2 comentários:
De Nina a 27 de Dezembro de 2010 às 21:17
Bichos estranhos, selvagens e cheios de ranhuras... Somos assim, não é? Os animais se reconhecem pelo cheiro.
[isso foi um elogio...]
De AB Poeta a 27 de Dezembro de 2010 às 21:34
sim, o cheiro denuncia nossas intenções!

Comentar post

Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags