André Braga

Fevereiro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28

Pesquise

 

Publicações

Cancelamento

Bocaberta

Pragas

Carnacaserna

Fazendo a feira

Fartura

Ménage matinal

Gata borralheira

Bonito na foto

Adestrado II

Adestrado

Corpo incivil

Tomando no centrão

Homem ao mar II

Vacina brasileira

Homem ao mar

Intolerâncias

Como as ruas já diziam

Piada mundial

Impeachment já!

Feliz Natal

Doenças nossas de cada di...

Madrugar

O dia do Saci

Eterno halloween

A fruta proibida

Constructo

O "astronada"

Oito vezes 10

Real indo pro buraco

O diamante da cidade

Para Florbela

Restos da quarentena

Seres do pântano

Curupira pirofágico

Do verde às cinzas

O amanhã a deus pertence

Churrasco

O general de pijama

A covid e o covil

Quando tudo passar

Filho da pátria

Infectados

Quiromania nossa de cada ...

Pasto Brasil II

Asas à burrice

Brincadeiras

Tiro curto

Pasto Brasil

O uso da máscara

Confira também




subscrever feeds

Quinta-feira, 6 de Novembro de 2008

Marchinhas de carnaval

Mais um carnaval vem aí. A grande “festa da carne”, em todos os sentidos, e sentidos, sempre vem embalada com muita “música”... Ou melhor, ritmos brasileiros. E é sempre assim: muito axé music, pagodinho, funk, variações indefinidas dentro dessas definições, e, para salvar a pátria, sambas enredos clássicos e, de maneira bem modesta, as marchinhas de carnaval, que sacodem os corpos surrados de meia dúzia de foliões guerreiros (bebássos) que resistem e insistem em pular manhã a dentro. E, sabe como é, marchinha de carnaval tocou todo mundo canta! É espantoso que músicas que não tocam em canto nenhum estejam na cabeça de todos; é inato, ou melhor, é a “música brasileira inata”.


Pensando nisso, de maneira bem pretensiosa, pois mal escrevo, quanto mais componho, mesmo assim, compus algumas marchinhas (bem modestas) para embalar os foliões dos próximos carnavais... E quem sabe fazer o Arlequim parar de chorar pela Colombina e não ficar pagando mico no meio da multidão.


 

O bombardeio de Nero a Roma
Letra: André Al

 

Nero correu correu
Chegou em casa, se cansou
Deitou na sua cama
Um baseado acendeu
E Roma incendiou

 

e e e e taca fogo Nero que eu quero vê e e
e e e e fogo na bomba Nero que eu quero vê

 

Corre corre, gritaria
Que tremenda confusão
Na hora da orgia
Pintou o camburão
Semente já na mente
Não deu de vacilão
Como Pôncio Pilatos, lavou as suas mãos

 

e e e e taca fogo Nero que eu quero vê e e
e e e e fogo na bomba Nero que eu quero vê

 


A piruca do Pedrinho
Letra: André Al

 

Pedrinho pegou a pururuca
Pôs por cima da piruca

 

Pedrinho pegou a pururuca
Pôs por cima da piruca

 

Pernilongo, pardal, piolho e pulga
Paparam parte da pururuca

 

Puto com aquilo, que decepção
De cara fechada, sem hesitação
De ante da maloca, sem bico de sinuca
Jogou pra pororoca a pururuca

 

Pedrinho, mas que desatenção
Com a pururuca voou junto a piruca
 

 

Careeeeca... Careeeeca... Careeeeca...

 

 

Agora é a hora

Letra: André Al

 

Quem já morreu, já morreu
Não tá aqui, não vem mais
A tristeza faleceu
Quero alegria e paz

 

O carnaval já chegou
Vem aqui meu amor
Eu quero abraço e calor
Eu quero é mais, quero é mais

 

Dá-me um beijo na boca
Desesperança de alegria

Pois eu só tenho o “agora”
Vem-me logo e namora
Esqueça o outro rapaz

 

Não perca tempo pensando
O carnaval tá passando
A vida logo vai embora
E ai não da mais

 

Quem já morreu já morreu...

 


E assim vais, em eternos carnavais...
E quantos “ais” se deram felizes, em eternos carnavais...

Clique no assunto: ,
Publicado por AB Poeta às 02:43
Link do post | Comentar | ADD favoritos
1 comentário:
De Anónimo a 9 de Novembro de 2008 às 00:44
Toca fogo é muito bom.

Comentar post

Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda


Poesias declamadas



Todas as publicações

Clique no assunto

todas as tags