Manifestações consciente do inconsciente. Contos e poesia crônica.

Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

pesquise

 

publicações

Barulho dos Inocentes

Lendas das pedras que rol...

Confira também



todas as publicações

subscrever feeds

Sexta-feira, 9 de Setembro de 2011

Barulho dos Inocentes

 

Rebeldia Punk

grito suburbano

 

A cidade não pára

ambiente desumano

 

Ao que me parece

o pânico prevalece em SP

onde anoitece e aparece

a face de deus na rotina

da pátria amada

do desequilíbrio

 

Devoro estilhaços calado

o expresso oriente descarrila

Eu ignorado, faminto

um ninguém em chamas

sem medo de morrer, sem valor

 

Inimigo, homem negro

que bebe demais, sujo

estranho de sangue ruim

um verme, resto de nada

 

Que tem nojo

que aprendeu a odiar

um homem em fúria

sem nada a perder

pesadelo contra o mal

 

A noite dome lá fora

amanha será tarde demais

 

Só a raiva vai nos salvar!

 

 

Clique no assunto: , , ,
publicado por AB Poeta às 20:44
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Domingo, 15 de Agosto de 2010

Lendas das pedras que rolam

 

No ônibus mágico que trilha as pautas

Paul disse a John que Léri é bi

E George, o que já foi Boy

Disse para o velho Roy

Que gostaria de ser uma linda mulher

 

Bob o jardineiro

Luta pelo verde e o orvalho

Quer que a vida seja mais natural

E sopra o divino para o infinito

 

Jim desejando o fim

Evocou seu xamã

E numa certa manhã

Fechou sua última porta

 

Madonna, mãe virgem e santa

Dá o peito aos lábios

Do garoto Jesus

Depois apara-o no colo (do útero)

 

Janes e Bob Mcgee

Admiram o cozinheiro Jimi

Preparar seu apimentado

Psico Chilli voodoo

 

No fliperama:

Quem?

O feiticeiro cego!

É a bola da vez

Próximo!

 

Na bifurcação

Entre a estrada do Céu

E a da Estrela

Seguimos a estrada

Do inferno

 

Que de um lado é possível ver

Os cavaleiros alados

A serviço de Satã

Cuspirem sangue

E pisarem em pássaros

 

E do outro, um velho senhor

Bruxo que aos sábados

Come morcegos vivos

E faz salada de ratos

 

O tempo rápido encolhe

A cada ano igual que passa

E de volta à nossa casa

Percebemos que ele nos tolhe

 

E rolam as pedras...

E morre a carne...

E ficam os mitos...

 

Nessa viagem

Que apenas está começando

 

Clique no assunto: , ,
publicado por AB Poeta às 03:52
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda



Poesias declamadas


Clique no assunto

todas as tags