Manifestações consciente do inconsciente. Contos e poesia crônica.

Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

pesquise

 

publicações

Um minuto de silêncio

Moluscos

Banquete

PEC(ados)

Lavrador

Declaração

Modelo

Encalço

Haicai V

Viagem

Numa fria

Poema antigo

Encontros

Ombrax

Sós

Coração violento

O que não passa?

Qual será a senha?

Marcados

Cada casa

Lançamento

A desmetamorfose

Um vazio

Paraíso

Noites de Verão

O relógio da vovó

Conto de Fadas

A fonte

Um par

contratempo

a bunda dela

ambidestro

mãe dos sem mães

advérbio

quando fomos nuvens

fossa

prateando

banquete

renda-se

pecado

translação

o fio vermelho

arte final

ossos do ofício

delinear

sinfonia

passarinha

fotogenia

Instagram

a rua e o rio

Confira também



todas as publicações

subscrever feeds

Sexta-feira, 22 de Outubro de 2010

Templo

 

Arquitetando

 

Na casa do arquiteto

Nasceram os ramos

Cresceram as rosas

Floresceram os versos

 

No mármore nobre

Entalharam as letras

Moldaram as palavras

Construíram os poetas

 

 


 

 

Éden

 

Na minha casa há um jardim

Onde a palavra não peca

Lavra, lapida, disseca

Trabalha assim o poeta

 

Na árvore central das serpentes

O fruto proibido é liberado

Em todos seus rios vertentes

Embebeda-se o poeta laborado

 

 

 

Casa das Rosas

 

Nos corredores desse templo

Vivem os imortais

Poetas que o tempo

Não apaga mais

 

E nós, meros mortais

Sonhamos com o dia

Em que a nossa poesia

Ultrapasse os seus umbrais

 

 

publicado por AB Poeta às 18:01
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda



Poesias declamadas


Clique no assunto

todas as tags