Manifestações consciente do inconsciente. Contos e poesia crônica.

Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

pesquise

 

publicações

Um minuto de silêncio

Moluscos

Banquete

PEC(ados)

Lavrador

Declaração

Modelo

Encalço

Haicai V

Viagem

Numa fria

Poema antigo

Encontros

Ombrax

Sós

Coração violento

O que não passa?

Qual será a senha?

Marcados

Cada casa

Lançamento

A desmetamorfose

Um vazio

Paraíso

Noites de Verão

O relógio da vovó

Conto de Fadas

A fonte

Um par

contratempo

a bunda dela

ambidestro

mãe dos sem mães

advérbio

quando fomos nuvens

fossa

prateando

banquete

renda-se

pecado

translação

o fio vermelho

arte final

ossos do ofício

delinear

sinfonia

passarinha

fotogenia

Instagram

a rua e o rio

Confira também



todas as publicações

subscrever feeds

Quarta-feira, 13 de Outubro de 2010

Tal

 

I

 

Um léxico oco

 

Parece que tenho a palavra

na boca

Digo, digo, digo

mas não consigo dizer a tal palavra certa

(nem sei se há palavras certas)

 

Algo assim

tal como você é

Desse jeito assim

(Não sei...)

 

II

 

Os adjetivos estão gastos

Escritores perdem tempo repetindo-os

na tentativa de reescrevê-los

Inútil

 

III

 

Quero

Tê-la assim

Assim agora

Agora assim como você é

 

Se não há palavras para descrevê-la

é porque transcendeu a idéia de beleza

 

Talvez esse tal tempo que passa

um dia escreva uma só tal palavra

que seja assim

tal como você é

 

 

"TAL. Instado sem cessar a definir o objeto amado, e sofrendo com as incertezas dessa definição, o sujeito amoroso sonha com uma sabedoria que lhe faria apreender o outro tal como é, exonerado de todo adjetivo."

Fragmentos de um discurso amoroso - Roland Barthes

 

Clique no assunto: , , ,
publicado por AB Poeta às 18:51
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
2 comentários:
De Naty a 19 de Outubro de 2010 às 16:41
... se o poeta um dia conseguir decifrar tudo, ele deixa de ser poeta e virá profeta rs
De AB Poeta a 19 de Outubro de 2010 às 17:03
humm... não quero decifrar, acho que quero é complicar mais... se eu decifrar pode ser que eu não goste do que encontre. ;-)

comentar post

Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda



Poesias declamadas


Clique no assunto

todas as tags