Manifestações consciente do inconsciente. Contos e poesia crônica.

Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquise

 

publicações

Banquete

PEC(ados)

Lavrador

Declaração

Modelo

Encalço

Haicai V

Viagem

Numa fria

Poema antigo

Encontros

Ombrax

Sós

Coração violento

O que não passa?

Qual será a senha?

Marcados

Cada casa

Lançamento

A desmetamorfose

Um vazio

Paraíso

Noites de Verão

O relógio da vovó

Conto de Fadas

A fonte

Um par

contratempo

a bunda dela

ambidestro

mãe dos sem mães

advérbio

quando fomos nuvens

fossa

prateando

banquete

renda-se

pecado

translação

o fio vermelho

arte final

ossos do ofício

delinear

sinfonia

passarinha

fotogenia

Instagram

a rua e o rio

viva voz

anseio

Confira também



todas as publicações

subscrever feeds

Quinta-feira, 1 de Abril de 2010

Saudade

 

Perguntei, e me disseram que todos estão bem

 

Que engraçado a saudade

De onde será que ela vem?

 

Não é da cidade

Não é da puberdade

Não é de nada, nem de ninguém

 

Pois como já me disseram, tudo caminha bem

 

Será que é da mocidade

É do passado então que ela vem?

 

Não. Passado é saudoso

E saudade é mais, muito mais

 

Quando eu era rapaz

Novo, disposto e ansioso

Não sentia saudade

Tudo era novidade

 

Mas o tempo fugaz

E impetuoso

Passou com velocidade

Levou tudo, e me deixou na saudade...

 

E uma pergunta: saudade, de onde ela vem?

 

Não toco mais o passado

Não posso prever, mas posso fazer o futuro

A saudade em mim presente

Me deu um recado:

Venho para o seu bem, lhe asseguro

Não fique angustiado

Trago como presente a vontade

Fique contente

Pois com ela terá prosperidade

 

Da saudade nasce a vontade (rima perfeita)

De se ter o que não tem

De ser um outro alguém

De caminhar e ir além

De amar novamente um outro bem

E de reviver também

 

Matei minha curiosidade!

A saudade vem do tempo que ainda vem

 

Com o presente na mão

Faço tudo com vontade

Para matar a saudade

Que tenho no coração

 

Clique no assunto: , ,
publicado por AB Poeta às 15:18
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
4 comentários:
De Vivi a 1 de Abril de 2010 às 15:54
Morri... rs ameiii... rs Já sabe, mãos ao alto ... rsrs
Bj
De AB Poeta a 1 de Abril de 2010 às 16:50
Desse jeito vou ter que chamar a polícia! rs rs

Bjão
De Rubens Milioli a 18 de Janeiro de 2011 às 22:29
Companheiro, gostei da sua rima..me empreste uma experiência... onde registrar poemas? Biblioteca Nacional? Um abraço...
De AB Poeta a 19 de Janeiro de 2011 às 01:01
cara, sinceramente, nem sei como fazer isso rs rs... Lancei o livro e o que fiz foi tirar o ISBN, que meio que garante meus direitos autorais. Registar os poemas, não sei como faz. Para falar a verdade, ninguém rouba isso... moramos num país de analfabetos, escrever não é virtude.

Abrçss

comentar post

Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda



Poesias declamadas


Clique no assunto

todas as tags