Manifestações consciente do inconsciente. Contos e poesia crônica.

Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

pesquise

 

publicações

Um minuto de silêncio

Moluscos

Banquete

PEC(ados)

Lavrador

Declaração

Modelo

Encalço

Haicai V

Viagem

Numa fria

Poema antigo

Encontros

Ombrax

Sós

Coração violento

O que não passa?

Qual será a senha?

Marcados

Cada casa

Lançamento

A desmetamorfose

Um vazio

Paraíso

Noites de Verão

O relógio da vovó

Conto de Fadas

A fonte

Um par

contratempo

a bunda dela

ambidestro

mãe dos sem mães

advérbio

quando fomos nuvens

fossa

prateando

banquete

renda-se

pecado

translação

o fio vermelho

arte final

ossos do ofício

delinear

sinfonia

passarinha

fotogenia

Instagram

a rua e o rio

Confira também



todas as publicações

subscrever feeds

Terça-feira, 17 de Novembro de 2009

Lúgubre

Só em silêncio escuto
Do fundo vindo uma voz
Dizendo em tom de luto:
“A paz está morta dentro de nós”

 

Clique no assunto: , ,
publicado por AB Poeta às 23:48
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
8 comentários:
De Mirella Santos a 18 de Novembro de 2009 às 10:48
Nossa André, qto pessimismo...rsrs
De AB Poeta a 18 de Novembro de 2009 às 12:54
rs rs...

Pessimista? Ou realista? Fica a pergunta.

Só não abra os jornais...
De Tera a 18 de Novembro de 2009 às 19:55
"Paz é anseio de todos,

Conquista de ninguém.

Por ser tão cobiçada

Da guerra nos faz reféns..."
De AB Poeta a 18 de Novembro de 2009 às 19:57
"Reféns para sempre seremos
Lutar já não adianta mais
Pois no fundo todos sabemos
Que a guerra é produto da paz."
De Fabio a 24 de Novembro de 2009 às 06:45
Todos nós não temos paz... não a paz no sentido da violência ou guerra, ou jornais com péssimas notícias do mundo. A guerra é silenciosa dentro de nós, lutamos a cada dia por um pensar próprio que não o há. o conflito ronda a todos, em silêncio ou não, na metrópole o anonimato já consumiu seus sonhos, seus desejos e suas memórias, nada mais importa que ter sucesso ou ser feliz, e essência, a paz, já foi perdida desde sua formação primária, carregada já da ideologia que te transforma num objeto de massa amorfa e barata.
De AB Poeta a 24 de Novembro de 2009 às 10:29
Amorfa e barata... sem forma e rastejante, cara e sem valor...

Vlw pelo (belo) comentário!

Abrçss
De Mirella Santos a 24 de Novembro de 2009 às 11:43
Concordo com o Fábio, acho que a paz, assim como a liberdade, são utópicas. Porém, é possível encontrá-la dentro de nós mesmos... depende do momento e do q se procura. Por exemplo, qdo vc chega em sua casa, coloca um som que mais gosta e vai tomar aquele banho demorado ( sem preocupações ) que vc tanto sonhou o dia todo, para mim, esse momento, é de paz.
Ou então num momento de meditação, em que é possível se livrar de todos os pensamentos, exigências, obrigações e preocupações, é um momento de paz tbm.
De AB Poeta a 24 de Novembro de 2009 às 13:31
Guerra é paz, liberdade é escravidão, ignorância é força.

GW - 1984

http://www.4shared.com/file/50043366/435039d5/LIVRO_1984_-_George_Orwell.html?s=1

comentar post

Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda



Poesias declamadas


Clique no assunto

todas as tags