Manifestações consciente do inconsciente. Contos e poesia crônica.

Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30
31

pesquise

 

publicações

Moluscos

Banquete

PEC(ados)

Lavrador

Declaração

Modelo

Encalço

Haicai V

Viagem

Numa fria

Poema antigo

Encontros

Ombrax

Sós

Coração violento

O que não passa?

Qual será a senha?

Marcados

Cada casa

Lançamento

A desmetamorfose

Um vazio

Paraíso

Noites de Verão

O relógio da vovó

Conto de Fadas

A fonte

Um par

contratempo

a bunda dela

ambidestro

mãe dos sem mães

advérbio

quando fomos nuvens

fossa

prateando

banquete

renda-se

pecado

translação

o fio vermelho

arte final

ossos do ofício

delinear

sinfonia

passarinha

fotogenia

Instagram

a rua e o rio

viva voz

Confira também



todas as publicações

subscrever feeds

Quinta-feira, 5 de Novembro de 2009

A Verdade

Eu sou a Verdade
Essa mentira me basta
Ninguém pode me contrariar


Pois o contrario de mim
Acredite, sou eu mesma
Todos podem me afirmar


Onipresente e imponente
Dita por todas as bocas
Escrita por todas as mãos


Quando me sente ausente
É porque aceitou desconte
Eu vinda de outro irmão


Não adianta querer me matar
Renovo-me a cada momento
Viajando nas curvas do vento
Sobreviver-irei, pelo eterno tempo


Construindo a realidade
Transformando o bem em maldade
E a maldade em beldade


Eu sou a Verdade, regente de tudo
Essa mentira me basta
Tragam-me pão e vinho na taça


Pois mais uma vez acabei de ser lida
Em versos sem muitas rimas
Mas sempre afirmada e reafirmada
E para a eternidade proferida


Pelo filósofo, pensador voraz
Pela bruxa que queima na fogueira
Pelo pastor que entoa a prece na praça
Pela noviça que jura castidade
Pelo plebeu escorraçado pelo patrão
Pelo burguês que cortou a cabeça do rei
Pelo cientista que diz e desdiz
Pelo ateu em estado pleno
Pelo poeta que sofre solitário
Pelo candidato que tem o futuro
Pelos casais que me juram


Eu sou a dona de tudo
Porque sou a Verdade
E essa mentira me basta!

 

Clique no assunto: , ,
publicado por AB Poeta às 00:12
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
2 comentários:
De Fabio a 10 de Novembro de 2009 às 03:07
Eu prefiro a brincadeira do final mais elaborada do que antônimos e usagens óbvias, muito boa poesia, parabéns.
De AB Poeta a 10 de Novembro de 2009 às 10:14
Valeu pelo comentário Fabio! Espero que goste das outras.

Abrçs

comentar post

Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda



Poesias declamadas


Clique no assunto

todas as tags