Manifestações consciente do inconsciente. Contos e poesia crônica.

Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

pesquise

 

publicações

Um minuto de silêncio

Moluscos

Banquete

PEC(ados)

Lavrador

Declaração

Modelo

Encalço

Haicai V

Viagem

Numa fria

Poema antigo

Encontros

Ombrax

Sós

Coração violento

O que não passa?

Qual será a senha?

Marcados

Cada casa

Lançamento

A desmetamorfose

Um vazio

Paraíso

Noites de Verão

O relógio da vovó

Conto de Fadas

A fonte

Um par

contratempo

a bunda dela

ambidestro

mãe dos sem mães

advérbio

quando fomos nuvens

fossa

prateando

banquete

renda-se

pecado

translação

o fio vermelho

arte final

ossos do ofício

delinear

sinfonia

passarinha

fotogenia

Instagram

a rua e o rio

Confira também



todas as publicações

subscrever feeds

Domingo, 11 de Outubro de 2009

O poeta errado

Dizem que escrevo errado
Que não sigo regra de oração
Acham melhor que eu fique calado?
Do que ser poeta de coração!

 

Dizem: o poeta de verdade
Tem que escrever certo
Não por amor ou vaidade
Mas por que assim é o correto


Coitado desse tal "poeta de verdade”
Que ao invés de preferir a liberdade
Quebrando as regras de oração
Entre certo e errado, fez a pior opção:
Fez da palavra uma prisão


O vernáculo é sem dono
Se existe algum patrono
Digo que esse é um déspota
Quer-nos quietos, na casota
Nos contando essa lorota
De que a letra está morta


Meus errados versos criam asas
Com eles tenho plena voz ativa
Quero ser um poeta sem mordaças
Assim como o grande Patativa

 

Esse poema foi publicado na revista A Cigarra, clique e veja.

 

Pra ler: Patativa do Assaré

 

Clique no assunto: , ,
publicado por AB Poeta às 21:15
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda



Poesias declamadas


Clique no assunto

todas as tags