Manifestações consciente do inconsciente. Contos e poesia crônica.

Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

pesquise

 

publicações

Banquete

PEC(ados)

Lavrador

Declaração

Modelo

Encalço

Haicai V

Viagem

Numa fria

Poema antigo

Encontros

Ombrax

Sós

Coração violento

O que não passa?

Qual será a senha?

Marcados

Cada casa

Lançamento

A desmetamorfose

Um vazio

Paraíso

Noites de Verão

O relógio da vovó

Conto de Fadas

A fonte

Um par

contratempo

a bunda dela

ambidestro

mãe dos sem mães

advérbio

quando fomos nuvens

fossa

prateando

banquete

renda-se

pecado

translação

o fio vermelho

arte final

ossos do ofício

delinear

sinfonia

passarinha

fotogenia

Instagram

a rua e o rio

viva voz

anseio

Confira também



todas as publicações

subscrever feeds

Quarta-feira, 9 de Setembro de 2009

Se não é que já estou morto

A pressão que meu peito sofre
Já não me põe mais medo
Aviso inconsciente ao meu ser
Que não parecer ser mais o mesmo.
Ardor puro! Preciso morrer!
Repouso confiante a navalha assassina
Escorre espuma como se fosse sangue
Sufoco a mórbida pia,
Abandono o que me é verdadeiro,
A privada é uma ilusão.
Eterno corpo surrado
Meu cheiro natural
Violentamente marginalizado.
Passos quente em piso frio,
Cem nomes de algozes tatuados na pele.
Nego a ser o divino animal terrestre
Ser o que é,
Agora irei morrer
Como um lagarto faminto.

 

Desenho de Elis Silva (aos 3 anos de iadade)

 

Poema de autoria de Sérgio Silva, baseado no meu contoPreciso Morrer.

Clique no assunto: ,
publicado por AB Poeta às 17:35
link do post | comentar | adicionar aos favoritos
6 comentários:
De Mirella Santos a 10 de Setembro de 2009 às 18:46
André, tá td bem??? hahahaha
Brincadeiras à parte, AMEI seu blog... com certeza passarei a lê-lo sempre!
Bjo gde e até a noite
Ps: O texto, de maio, sobre a falta da profa. Elisabeth está ótimo! Dei aquela risada q no fundo é um pouco triste, sabe?
De AB Poeta a 10 de Setembro de 2009 às 20:50
Olá Mirella, você quer saber se está tudo bem?
Bem, às vezes bem, outras bom, umas nem, sem ou com quem o mal vai e vem... Nada além. Mau nunca. Feliz com o que tem, alterando "quero mais" com "quero é mais", não mais, tudo bem!

Vlw pelo comentário.

Bjos
De Mirella Santos a 10 de Setembro de 2009 às 21:18
Concordo plenamente! Para mim, não há momentos de tristeza e nem de coisas ruins, apenas umas pausas para se refletir e assim crescer com o aprendizado.
Mto boa essa sintonia!
bjossss
De Sérgio Silva a 13 de Setembro de 2009 às 14:59
Caro André,
Passo por aqui para dizer olá
e complementar
O desenho deste poema,
tem nome e idade.
Chama-se Elis com três anos ,
minha filha.
Um grande abraço, S.S
De AB Poeta a 13 de Setembro de 2009 às 22:29
Opa! É o primeiro trabalho dela? rs rs

Vou colocar os créditos, já que futuramente será uma grande artista plástica!

Abrçsss
De Sérgio Silva a 17 de Setembro de 2009 às 00:30
Dizem que, dentro de todas as pessoas existe um artista. Aquelas que descobrem esta arte, são os verdadeiros talentosos.

Obrigado pelo crédito a ela,
Abraços, S.S

comentar post

Follow ABPoeta on Twitter
Instagram

Compre meus livros


Livros por demanda



Poesias declamadas


Clique no assunto

todas as tags